Quinta-feira, 28 de Dezembro de 2006

Os Corredores da Minha Alma

... Já diziam os filmes com os "losers" da Sessão da Tarde e as boas e atuais letras do Marcelo Camelo: Existe uma leve e não compensatória beleza no exercício da perda.
Eu acho que tenho pouco tempo pra conseguir expressar a absoluta plenitude dessa sensação...
Mas, ops!
...
Reticências.
Sempre tem um filete de cosmo que te salva do abismo.
Porquê que a gente nunca se senta pra escrever sobre coisas boas? E quando o faz, é sempre pra falar com nostalgia ou melancolia sobre os poréns do passado.
Com um título desses, esse poderia ser um longo post. Em se tratando de mim, sobretudo, Há uma necessidade sempre tão constante de relatar, e relatar, e relatar, e expressar... Em poucas datas e muitas linhas.
Comecei falando sobre perdas. OK. Digamos que se eu quiser resumir tudo eu poderia dizer: esse fim de ano tem me sido estranhamente chato e confuso. O que é absurdo! Realizei um dos meus maiores sonhos esse ano...
( )
Parênteses.
Uma verdade é que felicidade nunca é demais e a outra é que o ser humano tem uma admirável e infindável capacidade de sonhar.
Lembre-se, lembre-se: resumir.
Queria uma inspiração arrebatadora que me tirasse das gavetas as ideías que eu me recuso a alimentar há anos. Queria ganhar coisas sem motivo. Queria um elogio vindo de uma roda de conversa entre amigos que eu não me esforço em agradar. Queria um aumento... Queria parar de viver em expectativa da perspectiva.
Comecei então a falar de uma Via Láctea solidária que envia filetes de cosmos pra nos impedir de pular sem pára-quedas.
Hoje eu perdi e vi coisas sendo conquistadas.
Uma voz amiga me aparou do precipício.
O argumento? O bom e velho "não era a hora". E que é muito eficiente, já que nos livra da responsabilidade e coloca tudo na mão do destino. E uma voz amiga sempre te livra dos horrores da inveja.
"É horrível ouvir o ruído abafado das alegrias alheias".
Mas ô fulano, você tem que ter tudo???
-
Travessão.
- Tudo que eu puder.
Então, espera!
Conselho registrado é conselho perdido.
E voltei a falar sobre o artista que só dá vazão às inspirações obscuras. Se vou ao parque e ando numa emocionante montanha-russa, acabo sempre falando sobre a barquinha de puxar pela corda, lá do meu tempo de infância.
Aí o Gustavo ganhou uma lua de pelúcia pra mim.
.
Ponto.
Terminar por aí já tava bom.
E acho que no fim das contas é o que deveria contar. Atualmente eu estou num trabalho que não me promove, com um salário que não me sustenta, articulando "jeitinhos" pra me salvar da penúria, tentando aparar os pilares de uma amizade cármica e perturbadora, triste porque tem outra que só me faz bem e que está longe, agoniado com uma ótima idéia que não sai do papel, apostando em ideías pra evoluir como ser humano, tentando vencer as pragas do amor intenso, e tenso, tenso e oprimido.
Mas mesmo assim... tudo devia terminar naquela lua de pelúcia.
Como um ponto.
Como fazem os "losers" da Sessão da Tarde e os personagens de Marcelo Camelo, que ganham algum lirismo ou ternura no final de suas sagas traídas e decidem encarar como vitória aquela grande oportunidade de soltar um sussurro de verdadeiro prazer.
Aquela lua de pelúcia...
Meu ponto.
Aquele símbolo gráfico que trava o fluxo da continuidade e impede as possibilidades ocultas de uma vírgula.
,
PS: O balanço de fim de ano está próximo.
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 21:18
Link | Dobre (comente) | favorito
Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006

Palavras de Gentileza

"Que falta de sensibilidade... gentileza..."
 
Eu estou aqui ouvindo essas palavras ecoando transgressoramente na minha cabeça. Elas tomaram os atalhos dos meus tímpanos até o cérebro e estão arranhando as paredes.
Que sensibilidade?
Que gentileza?
Pra com quem?
E porque?
Chamem a Glorinha Kalil!!! Sem dúvida, dentro de seus verbetes elegantes, ela deve ter uma regra de etiqueta bem aplicável em situações de altruísmo implícito.
Ou cantem a canção do "Fundação para uma vida melhor".
- Eu gosto! Adoro essa musiquinha.
A gente assiste aquela dramatização de comportamento civil e fica se perguntando se faria a mesma coisa ou se algum dia já fez.
Será que num dia de chuva, atrasado, irritado, cansado e tendo esperado por horas,eu cederia o meu lugar no táxi pra uma mãe e seu filho pequeno?
Provavelmente, não.
Ohhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Vá lá, todo mundo diz que sim, mas na hora, ou as pessoas só pensam em sí mesmas ou tem vergonha de se dirigir a alguém que não conhecem.
"Cada um por sí!"
 
*FUNDAÇÃO PARA A VIDA É MINHA E VOCÊ NÃO TEM NADA A VER COM ISSO
Agência prepara campanha publicitária alertando as pessoas para o uso desmedido da gentileza social.
A nova estratégia do governo federal para alavancar a campanha "Brasil - Um País De Quem Pode"  é uma série de spots publicitários veiculados nos horários de pico de audiência de todos os canais de tv mais importantes .
"Será uma ação lenta, mas que pretende fixar-se no inconsciente coletivo", afirma a criadora da campanha, que já foi apresentada aos diretores de programação das emissoras em uma reunião ocorrida essa semana no Rio de Janeiro.
Sem esconder o propósito de usar da mensagem subliminar para garantir o sucesso da campanha, os criadores encomendaram às agências uma série de pequenos anúncios que mostrarão pessoas comuns passando por situações de gentileza extrema e que dessa forma, chocarão o público e alertarão para a propagação da bondade social que sem dúvida, deteriora a sociedade continuamente e que pode ser um dos fatores determinantes para a desorganização hierárquica que prejudica a instituição do estado.
Passado o transtorno provocado pelas campanhas solidárias dos primeiros anos do novo século, os sociólogos responsáveis pelo levantamento dessa nova expectativa social, garantem que o individualismo civil é a maior garantia de progresso para o país.
"Temos que parar de acreditar numa equalidade para as classes sociais desse país. A busca por essa utopia só provoca atrasos consideráveis no desenvolvimento das classes dominantes que criam e perpetuam as verdadeiras e importantes mudanças da nossa evolução enquanto potência". O sociólogo se refere a uma enfermidade ainda existente nos núcleos de resistência da classe baixa. A distribuição seletiva de renda, e que já chegou a ser considerada ruim nos tempos solidários do pais, se comporta de modo mais concentrado, garantindo um investimento direto na imagem do Brasil no cenário mundial. A reação é imediata: "O Desenvolvimento depende de uma satisfação mútua". Os especialistas discordam: "A competitividade é a mola mestra da evolução humana".
As estatísticas vem em defesa da teoria anti-gentileza. No ano passado, os estudos mostravam que em 98% das empresas onde a metodologia individualista foi aplicada, o crescimento bruto do setor financeiro e criativo cresceu mais da metade em comparação com os anos de 2000 e 2001. Norton Guerra, autor do best-seller "Eu Mexi No Seu Queijo E Que Se Dane", garante que liberar os funcionários de uma empresa para praticar atos antes considerados inescrupulosos, pode elevar sua marca ao maior status do mercado. "É tudo uma questão de ser surpreendente", afirma ele, "Se você acha que exerce a função do seu colega melhor que ele, faça isso um dia, sem avisar, e veja o que acontece. Se a função dele era atender o telefone e você fez isso melhor, você ganha e a empresa também". Quanto à situação do outro, Norton ataca: "Cada um tem que tomar conta do que é seu e vigiar o que é do outro. Se você bobeou e deu ao outro a chance de mostrar um trabalho melhor, problema é seu. Agora tente passar a frente do que está próximo a você". E completa, "Não existe gentileza em atender o telefone pelo outro, o melhor é assumir que o que você quer é ser mais eficiente que ele".
E a influência do livro de Norton vai longe. Uma das empresas de cosméticos mais importantes do mercado nacional adotou as medidas do livro e criou até mesmo um livro de regras para ética dos funcionários: "Não vale sabotar o outro, mas vale tudo pra apontar seus erros e se mostrar melhor". Os melhores nisso ganham até mesmo uma menção honrosa ao final de cada trimestre.
Há quem afirme que o caminho da individualidade pode transformar o convívio social numa guerra fria. Remanescentes das comunidades hippies e alguns ativistas do extinto GreenPeace ainda tentam veicular mensagens pró-gentileza na web, o que já lhes rendeu até mesmo processos federais por apologia à boa vontade.
"É uma pseudo-democratização inversa", afirmam os ativistas.
O assunto voltou a mídia depois que uma senhora morreu na fila de uma sorveteria na Zona Norte do Rio de Janeiro. Uma semana após ter sido aprovada a lei que encerra os direitos de idosos, gestantes e deficientes ao atendimento prioritário.
Ainda permanece incógnito o resultado dessa nova etapa social por qual passa o país. Em países como os EUA e o Japão, os resultados se mostram na economia e no setor criativo. E há quem garanta que para os países de terceiro mundo, não seria a melhor estratégia copiar o modus operandi de grandes potências que a essa altura, jamais serão alcançadas. Mesmo assim, o Governo Federal insiste que vale a pena tentar por mais algum tempo, sobretudo diante da aceitação da maioria da população.
"É o oportunismo em seus dias de glória", enfatiza Norton Guerra. Seu próximo livro, "Inteligência Capital",deve chegar as livrarias no próximo semestre e já é campeão de pré-venda na internet. "Se depender do nosso gosto pelo consumismo, nossa natureza primitivamente egoísta e do exercício não culpável do pensamento próprio, teremos muitos anos pela frente de lucros absolutos e sinceridade ácida". E tudo parece corroborar as teorias do autor. Norton divulgou ontem um trecho do texto da orelha de seu novo livro e ela, além de categórica, dispensa maiores explicações:
"A ciência já provou que não seríamos seres sociáveis se não fosse o interesse direto em exercitar a inteligência para usufruir de coisas que o outro tivesse a te oferecer. Aprendemos a aceitar a proximidade de outros porque não podemos conseguir tudo sozinhos. Durante muito tempo, contaminados pelas fraquezas sentimentais impostas pela cultura religiosa, nos tornamos insinceros com a nossa própria natureza e adquirimos um comportamento solidário e generoso que nos transformou em seres inverossímeis e dissimulados. Agora, vivemos tempos de uma nova safra. Apoiados pelo mundo moderno e suas ciências e tecnologias, as necessidades provindas do outro se tornaram cada vez mais raras e o compromisso com a sociabilidade passou a ser uma obrigação sem compensação prática. Então, alguns de nós que sempre souberam usar do próprio sorriso pra conseguir um aumento de ganhos futuros, encontram na modernidade uma absolvição tardia, mas digna e correta. Meu livro, "Inteligência Capital" é para aqueles que ainda não se expurgaram das mazelas medievalistas que criaram a gentileza e o altruísmo. E para ensiná-los a caminhar seguindo as pegadas dos vencedores e sabotando a trilha pra não ser seguido por mais ninguém."
 
 
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 19:15
Link | Dobre (comente) | Ver dobras (1) | favorito

Tudo Sobre Ele

Pesquisar Dobras

 

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Ontem

Voltamos já...

Fundo Sem Garantia

Um "Eu Amo GLEE" enorme n...

Glee, sua linda.

A Cabecinha do Hond#$%@##...

Sala de Projeção: Marilyn...

Titanic 3D

Agora sim...

Tô quase me rendendo...

Thammy Ae!

Vida Real Pra Quê?

Lua de Sinteco

Sala de Projeção

BBB12 - Selva Dentro e Fo...

M-A-D-O-N-N-A Pra Quem En...

Páginas Viradas

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Tags

todas as tags

Links

Autógrafos

Assine meu Livro
blogs SAPO

subscrever feeds