Quarta-feira, 22 de Março de 2006

O Revoar do Albatroz


"O Albatroz passa voando baixo e encontra uma gaivota pelo caminho..."
"Aquela que se perdeu da revoada e ainda insiste em continuar por essa trilha"

Devo ter mesmo uma incontrolável atração por problemas.
Homens problemáticos.
E tenho pavor desses rótulos. Sempre dão a impressão que você é um aleijado emocional que precisa das muletas do "impossível" pra achar que ama de verdade. Pro inferno com rótulos. Mas concordo com a psicologia.
Deve ser pra alimentar meus pzisismos.

O Gustavo veio no vôo do Albatroz. Eu me impulsionei nessas asas e estou subindo até agora. E como não sei pousar muito bem... meus riscos de queda são temerosos. Quando eu estava sentindo aquelas coisas pelo Wellington, julguei que havia chegado no meu ápice emocional, mas hoje já acredito que embora apaixonado, era mais a minha vaidade querendo ser amada como merecia. E nessa crescente com a qual as coisas vem acontecendo entre o Gustavo e eu, esses níveis de intensidade amorosa por vezes comportam-se insensatamente.
O Gustavo me conquistou. Me conquistou e tornou isso incontestável. E agora um labirinto de novas portas se revelou diante de mim. Portas com cheiro de tinta fresca e placas de sinalização.
Estou vivendo a história que eu idealizei. E essa confirmação dos misticismos das minhas súplicas, me assusta!
O TRAIN canta "New Sensation" nos meus headphones e essa extensão de portas é grande... Então, vamos falar das implicações dessa relação. Falar.... Descobrir os ganchos de julgamento e analisar as demarcações:

HENRIQUE: 26 anos
GUSTAVO: 43 anos
O QUE AS PESSOAS PODEM DIZER: Um rapaz conhecido pela carência de afeto carnal se apaixona pelo primeiro que diz as coisas que ele precisa ouvir. Cava amores intensos e bombeia histórias bonitas. Torna-se uma vítima do que construiu pra se sentir bem. Além, é claro, do fato de estarmos lidando com um velho tarado.
O QUE AS PESSOAS NÃO SABEM: Esse rapaz era portador da bactéria "não gosto de quem gosta de mim". Existem dezenas de sutis essências que são captadas somente por quem detém o passaporte pra determinadas situações. Não adianta escrever dossiês sobre o que compõe uma relação. Eles jamais serão lidos por quem já tem os próprios escritos penais. É a união de um homem que se encoraja a recuperar o que o sistema encovardou-o a buscar, com um rapaz que quer ser visto como seus sonhos lhe impediram de se exibir. Gustavo vê Henrique. Henrique percebe Gustavo. A idade é uma inclinação física. Um adorno temperador que aumenta a especiaria desse encontro.
O QUE IMPORTA: Não existe justificativa para o amor. E nem mapeamento pras circunstâncias que levan à ele.

GUSTAVO: casado
HENRIQUE: solteiro
O QUE AS PESSOAS VÃO DIZER: Homem safado engana a esposa com outro homem. Rapaz gay carrega com orgulho o troféu de estar com um enrrustido comprometido.
O QUE AS PESSOAS NÃO SABEM: O mundo não é unilateral! Nâo existe uma só sentença que forma a ordem natural das coisas. O emprego da "circunstância" é uma ótima saída pra justificar atos que são cometidos com razão mas que reverberam dúvida. A pedra do meu sapato não dói no pé de mais ninguém. E pra mim, a sua dor está num grau sempre suportável pra você. Contexto histórico. Político. Social. O que me aperta o coração não atinge o seu.
O QUE IMPORTA: Na curva do nosso destino ocorreu de ele se apaixonar por mim estando casado. O karma entende as razões. E o que ele sente por mim não resistiria ao desapego dos filhos. À renúncia de seu instinto familiar. Não trata-se de pouco amor, mas de muito sacrifício.

E Agora o Henrique Vai Falar De Amor:
Ressalva: correspondido
O mundo dá voltas...
Pela primeira vez ouvi um "eu te amo" e pela primeira vez eu disse um "eu também". Fiquei algum tempo pensando se deveria proferir esse "eu também" mesmo. Foram tantos discursos em defesa das palavras realmente sentidas e honestas que me peguei me perguntando se deveria pôr pra fora. Até porque, querer dizer, eu já estava querendo há algum tempo. E a cabeça latejando: tá sentindo mesmo? tá seguro do que está dizendo? Olha lá hein, quem é que sempre dizia que as pessoas banalizam os conceitos de amor?
Pois enfim, disse!
E disse seguro e sereno. Ele nem acreditou muito no início. Fiz tantos discursos em nome da lógica e da razão, que ele estava me achando frio e incólume como uma porta. Incapaz de me entregar às sensações. No fim das contas, esses discursos só serviram pra dificultar a minha credibilidade e passei horas tentando convencê-lo de que realmente o amava.
E quando ele disse que me amava eu quis dar um beijo na boca de Deus!!!!Foi um "eu te amo" tão consciente, avaliado, amedrontado e consequente. Parte de uma crescente onda de sensações que andavam nos dominando desde o primeiro encontro. Ou seja, um "eu te amo" com a propriedade de um homem maduro que não vai ser maluco de fazer declarações a qualquer um por aí. Casado então, seria como colecionar Glen Closes e viver um "Atração Fatal" por semana.
Enfim, eu acreditei. E isso me fez chorar.
Sabe aquela história do "preciso de alguém que me veja"? O Gustavo vê tudo. Até aquela coisinha que ninguém mais é capaz de ver em mim. Aquele charme que antes não atingia ninguém. Acha que eu sou bonito demais pra ele (maluco...) e reconhece as sutilezas que ninguém mais vê. É um homem que viu a própria homossexualidade como um obstáculo a ser vencido. Um traço de sujeira. Um pecado mortal que ele, leviano como os jovens ávidos, por vezes cometeu.
"- Quando estava no ato de fazer meu filho, pedi a Deus silenciosamente, que ele não fosse como eu".
E as minhas teorias sobre a tolerância divina e meu conforto e certeza da delícia de ser quem eu era se medo, fizeram com que eu me tornasse um bálsamo pro coração aflito dele.
E as crenças dele me tocaram. A história dele me tocou. Nossas casas astrais se cruzaram e o amor dele semeou esses sentimentos em mim. A maldição se quebrou! Estamos na mesma sintonia e eu me sinto especial. Especial!!!
E comprei vendas no brechó das relações justificadas. Entrando conscientemente no campo da confiança irrestrita. Embaralhei as letras impressas nas plaquetas que os outros estendiam pra mim e ignorei os pedidos de cautela. Dando-me o direito de entrar com tudo nesse mundo novo do amor dito eterno. Sentindo o sal adocidado das lágrimas de felicidade que eu nunca havia chorado antes. Minha corrente sanguínea enche-se de novos componentes e acalorado pelo ciúme, posse e dependência, eu vou descobrindo as propriedades geniosas do amor. Notando a aversão que ele tem pelo passado de seus portadores e a gana pelo futuro que pretenciosamente coroa sua infantil soberania. Vou percebendo a linha limítrofe que borra de ódio os ares de quem se ama e a disputa velada pelo ceder do outro.
Provas de amor! Provas de amor!!
Nunca o dito exigiu tanto o feito. E nunca o feito foi tão imperceptível sem o dito. Como pode um sentimento tão grande julgar-se tão frágil? Em qual sacola do inconsciente jogam a nossa consciência? E porquê apostamos tanto no blefe da recíproca alheia?
E o medo de perder... Maior que todos os medos da humanidade. Composto da angústia gélida de ver-se sozinho na expurgação das lembranças.
De súbito, os céus lhe servem gratuitamente o presente de ter sua própria história. Empoierada nas prateleiras das outras histórias e sentindo-se original como é de praxe nos corações de quem as vive. E o melhor é ser ingênuo e acreditar nela. E é o que eu decidi fazer. Alheio aos meus próprios conselhos de fuga. Decidi amar.
E o amo!
Que estranho dizer isso... Nunca achei que teria tanta certeza de uma coisa. E nunca achei que fosse grande a esse ponto. Como se no corpo não coubesse tudo. E Gustavo às vezes se preocupa com isso. De certa forma, minha inicial postura racional o libertava da responsabilidade de corresponder ao que eu sentia, já que parecia que eu não sentia nada. Pra um homem casado, ter sob tutela os sentimentos de alguém é mas complicado. Amor cobra. O casamento dele, poda. E a revelação do meu amor crescente agora coloca-o diante de uma realidade duvidosa: ele quer que eu o ame, mas não sabe se suporta esse amor. E eu quero amá-lo, mas não sei se é seguro lhe entregar esse amor. Ele até já me pediu calma. E chegamos a um ponto onde sou eu que já não sei mais o que pensar... Sou dele por inteiro. E por minha conta e risco. Mas sinto a razão dele me ameaçando com seus freios.
E numa inesperada reviravolta do destino, ele passa a ser o racional e eu o inebriado.
E homens casados racionais, escrevem na cartilha da família.
Esse é o meu risco.
Vivo um amor que só espera amor. E espero que isso ele entenda, e me dê em troca somente esse amor que, calorosamente, estou a lhe pedir.
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 17:35
Link | Dobre (comente) | favorito
Segunda-feira, 20 de Março de 2006

No MSN

 

[13:04] henri819@hotmail.com: oi...
[13:04] loverman@hotmail.com: fala,cara. blz?
[13:04] henri819@hotmail.com: Beleza
[13:04] loverman@hotmail.com: tá onde?
[13:04] henri819@hotmail.com: No trabalho. Descobri uma maneira de entrar no msn.
[13:05] loverman@hotmail.com: como?
[13:05] henri819@hotmail.com: Pera só um pouco... Estou meio ocupado. Daqui a pouco te chamo.
[13:05] loverman@hotmail.com: vc tem foto aí?
[13:05] loverman@hotmail.com: digo fotos novas
[13:05] loverman@hotmail.com: quero ver se está mais rechonchudinho... hehehe
[13:30] henri819@hotmail.com: Voltei
[13:31] henri819@hotmail.com: Minha fotos não são pro seu bico.
[13:31] henri819@hotmail.com: E não estou rechonchudinho.
[13:31] loverman@hotmail.com:clasro que são sim
[13:31] loverman@hotmail.com:nao só as fotos, mas vc todo
[13:33] loverman@hotmail.com: rebelde vc
[13:34] henri819@hotmail.com: Rebelde? Já vem você me chamando de magrinho...
[13:34] henri819@hotmail.com: Sou mesmo! E meu namorado gosta!
[13:35] loverman@hotmail.com: tem namorado agora, né?
[13:35] loverman@hotmail.com: que bonitinho...
[13:36] henri819@hotmail.com: Já estou sentindo cheiro de deboche...
[13:37] loverman@hotmail.com: mas o teu macho mesmo sou eu... sei disso...
[13:37] loverman@hotmail.com: o macho que melhor te pegou, confessa...
[13:38] henri819@hotmail.com: Pobrezinho dele... Eu não vou entrar nessa discussão com vc. Estou apaixonado, vivendo uma coisa que sempre busquei e agora encontrei. Enfrentando os riscos de levar borduada, mas feliz.
[13:38] loverman@hotmail.com: hein
[13:38] henri819@hotmail.com: Esse tempo de esperança já foi pra vc.
[13:39] henri819@hotmail.com: Você não acredita mais nisso. E eu não vou insistir.
[13:41] loverman@hotmail.com: mas claro que rola aquele repeteco comigo, né?
[13:41] henri819@hotmail.com: Ah... tá com medo de que eu seja fiel?
[13:41] loverman@hotmail.com: to
[13:42] henri819@hotmail.com: Eu vou fingir que acredito que isso faz diferença pra vc.
[13:45] loverman@hotmail.com: faz sim
[13:46] henri819@hotmail.com: Eu firmei um compromisso com ele (não existe maneira "não clichê" de falar isso).
[13:46] henri819@hotmail.com: Quero que ele seja fiel. Portanto, vou tentar ser fiel à ele também.
[13:49] loverman@hotmail.com: então nao vou mais foder com vc, é isso?
[13:49] loverman@hotmail.com: é isso?
[13:49] loverman@hotmail.com: posso tirar da cabeça?
[13:50] loverman@hotmail.com: ou posso ver uma brecha jurídica no treecho "vou TENTAR ser fiel..."?
[13:50] loverman@hotmail.com: na sua frase
[13:50] loverman@hotmail.com: ?
[13:51] henri819@hotmail.com: A única maneira de conseguir ser fiel à ele é fugindo de oportunidades como vc. Não sou de ferro. Mas posso garantir que enquanto essa decisão for forte na minha cabeça. Não irei ver vc.
[13:52] henri819@hotmail.com: Até porque, duvido muito que isso faça diferença na sua vida.,

[13:53] loverman@hotmail.com: e como pra vc eu sou apenas possibilidade de foda, vc vai me riscar de sua vida. É isso mesmo que vc está dizendo?
[13:54] henri819@hotmail.com: Não. Nosso tratamento um com o outro não é unilateral. Não despeje essa responsabilidade só em mim. Não te riscarei da minha vida.
[13:57] loverman@hotmail.com: nao estou entendendo. Vc nao vivia dizendo que pra vc eu era só foda, só pica , e mais nada? qualquer possibilidade de relação pessoal (em nestou falando amorosa) era vista por vc como forçação de barra, lembra? Pois então, se eu sou só FODELANÇA pra vc, o que se pode fazer comigo a não ser me riscar de sua vida já que não vamos foder?

[13:59] henri819@hotmail.com: Eu tentando acreditar que mesmo que não haja mais sexo entre nós, poderemos nos tratar com cordialidade. Conversar como estamos fazendo agora... Manter alguma contato. Falo sério quando digo que você é um cara incrível. Nâo gosto da sensação de que não falarei mais com vc.
[14:00] loverman@hotmail.com: mas pra mim tem que ter sexo
[14:00] loverman@hotmail.com: vc pra mim é só sexo
[14:01] henri819@hotmail.com: Então pode me riscar da sua listinha de rapazes deslumbrados que caem na sua conversinha madura.
[14:01] loverman@hotmail.com: o único que caiu foi você
[14:02] henri819@hotmail.com: Não acontecerá mais. Eu lhe asseguro.
[14:03] loverman@hotmail.com: vc nao resistiria a 1 minuto comigo num elevador sem me agarrar

[14:03] loverman@hotmail.com: confesse
[14:03] loverman@hotmail.com: logo, que promessa frágil é essa?
[14:04] loverman@hotmail.com: em que bases gelatinosas se apóia sua fidelidade?
[14:04] loverman@hotmail.com: vc parece a Claudia Raia em "Belíssima"
[14:05] henri819@hotmail.com: Gelatinosos são os seus conceitos sobre os sentimentos dos outros.
[14:05] henri819@hotmail.com: Não queira estreitar à essa altura, as vertentes do desejo sexual.
[14:06] loverman@hotmail.com: um homem tão inteligente brincando de ser burro, prometendo uma coisa tola que não consegue cumprir
[14:06] loverman@hotmail.com: isso é pra mocinhas burras e bichas melosas
[14:06] loverman@hotmail.com: não é promessa pra vc fazer
[14:06] henri819@hotmail.com: Eu poderia muito bem agarrar você num elevador se meu pau desejasse isso. Mas até que ponto valeria a pena arriscar minha linda relação em nome disso?[14:06] loverman@hotmail.com: vc nao
[14:06] henri819@hotmail.com: Nâo vou fingir que ter inteligência é ter falta de escrúpulos.

[14:07] loverman@hotmail.com: um cara cheio de criatividade, possibilidades amplas de visão de mundo, taLENTo vibrante, articulação... como pode cair assim na vala-comum?
[14:07] loverman@hotmail.com: que decepção...
[14:07] loverman@hotmail.com: não se arrisca relação nenhuma por causa de uma foda, seu burro

[14:07] loverman@hotmail.com: vc sabe disso
[14:08] loverman@hotmail.com: ainda mais se a foda já começou antes, e não há qualquer ameaça sentimental ao seu castelo de gelatina
[14:08] loverman@hotmail.com: nao temos nenhuma expectativa de namoro eu com vc
[14:08] loverman@hotmail.com: logo, vai ser apenas foda e nada mais. E foda não ameaça uma coisa tão linda como vc diz
[14:09] loverman@hotmail.com: eu e vc sabemos disso
[14:09] loverman@hotmail.com: somos inteligentes. Não caia na vala-comum. Não vc
[14:11] henri819@hotmail.com: Ser fiel é uma decisão que implica somente a mim. Eu quero ter a segurança de saber que me preservei. Essa vala-comum a que você se refere, pra mim está cheia de conceitos "pseudo-contemporâneos" como o seu, onde o sexo não atinge nada palpável, quando sabemos que ele atinge às vezes, muito mais do que se imagina.
[14:11] henri819@hotmail.com: Eu estou farto.
[14:12] henri819@hotmail.com: Farto de fingir que não sonho ou não busco o romance e a ternura.
[14:12] loverman@hotmail.com: quanta bobagem
[14:12] henri819@hotmail.com: Farto de me envergonhar do clichê do que é ser amado. Eu preciso viver isso.
[14:12] henri819@hotmail.com: E já te disse, não espero que você compreenda.
[14:13] loverman@hotmail.com: coisa de mocinha
[14:13] henri819@hotmail.com: Na sua postura individualista, você provavelmente não tem razão alguma pra entender.
[14:14] loverman@hotmail.com: "quero ter a segurança de saber que me preservei"... quanta complicação
[14:14] henri819@hotmail.com: Você não me conhece. Não sabe de nada. Eu saio à noite e vejo duzentos como você, se portando como se ser inteligente e sagaz fosse vestir um trapo de conceitos auto-suficientes.
[14:15] loverman@hotmail.com: é isso mesmo que vc quer dizer?
[14:15] loverman@hotmail.com: essa frase aí saiu da sua cabeça ou da sua cloaca?
[14:15] henri819@hotmail.com: Da minha o quê?
[14:16] loverman@hotmail.com: veja no dicionário: cloaca + cu de galinha
[14:16] loverman@hotmail.com: cloaca = cu de galinha
[14:16] henri819@hotmail.com: Eu não sou obrigado a ouvir isso.
[14:16] henri819@hotmail.com: Ler isso.
[14:16] loverman@hotmail.com: mas nao importa: essa tua frase saiu de onde?
[14:16] henri819@hotmail.com: Da minha cabeça.
[14:17] loverman@hotmail.com: é oq ue vc quer dizer mesmo ou vc está arranjando uma justificativa interna, um pretexto cocreto, enfim, para romper comigo, moleque?
[14:18] henri819@hotmail.com: Se disse, é porque quero dizer.
[14:18] henri819@hotmail.com: Decepcione-se comigo o quanto quiser. Estou muito bem admitindo que amar e ser amado é viver tudo isso que você, ressentidamente, chama de vala-comum.
[14:20] loverman@hotmail.com: olha só, eu estou namorando também, possivelmente apaixonado. Logo, não desconheço o nirvana em que vc vive e nem acho que o meu nirvana me deixa paralisado. Não tem nada de origina isso que vc está vivenmdo com tanto desluimbramento

[14:21] henri819@hotmail.com: E eu disse que é?
[14:21] henri819@hotmail.com: Sei que não é originial!
[14:21] loverman@hotmail.com: agora, como eu te disse, se vc quer um pretexto pra romper comigo, já o tem: ou vc retira aquela frase ou estamos rompidos
[14:21] henri819@hotmail.com: O que ela tem de tão ofensiva?
[14:22] loverman@hotmail.com: ou vc confessa que não disse aquilo do fundo do seu coração ou não tenho mais nada a tratar com o senhor
[14:22] loverman@hotmail.com: vc sabe o que tem de ofensiva -- ou vou achar que vc é burro

[14:23] loverman@hotmail.com: não vou ficar entregando seu troféu assim de bandeja
[14:24] henri819@hotmail.com: Desculpe se te ofendi. Mas já me sinto muito ofendido em ser considerado burro por ser fiel.
[14:24] henri819@hotmail.com: Estou orgulhoso de mim por ser capaz de passar por cima desse ciclo de superegos que julgam-se tão importantes a ponto de desvalorizar tudo que seja bonito, e não físico.
[14:25] loverman@hotmail.com: eu agora virei "ciclo de superegos"?
[14:26] henri819@hotmail.com: Não falo de você. Falo de uma rede de comportamento.
[14:27] loverman@hotmail.com: cuidado ao usar o termo superego. Vc não sabe o que está falando. Na psicanálise, -- e este é o uso corrente da palavra -- superego não é um ego grande, mas a auto-censura
[14:27] henri819@hotmail.com: Ótimo. Empreguei da forma errada, mas você entendeu.
[14:28] henri819@hotmail.com: Não me julgo superior (como seu discurso parece, aliás). Estou mesmo numa vala-comum, mas fui jogado lá.
[14:30] loverman@hotmail.com: vc pode até querer ser fiel. Mas justificar isso da forma megalômana, barroca, como um bolo rococó de glacê, como vc faz, é algo que aprofunda a vala-comum onde nunca imaginei que te veria cair. É a forma mais burra de cair nela
[14:31] henri819@hotmail.com: Não estou me justiificando. Estou me defendendo das agressões que você faz ao meu desejo de tentar viver essa promessa.
[14:31] henri819@hotmail.com: Desde que disse isso, você já me chamou de burro, cego, ridículo e por aí vai.....
[14:32] henri819@hotmail.com: Aceito que te pareça inútil. Mas não tente me convencer que estou certo em querer ser honesto com uma pessoa.
[14:33] henri819@hotmail.com: não estou certo
[14:34] loverman@hotmail.com: vc está certo
[14:34] loverman@hotmail.com: o problema é a palavra "honesto" na sua frase
[14:34] loverman@hotmail.com: eis a palavra-chave, ambígua
[14:35] henri819@hotmail.com: Me explique a ambiguidade.
[14:38] loverman@hotmail.com: mas, bem, não vou insistir mais. Não quer foder, nao fode. Eu tenho meu namorado, sou honesto com ele, não prometo o que nao posso cumprir, ele me promete o que quer, eu a ele, somos felizes sem cobranças, sem castelos de gelatina -- talvez porque sejamos mais maduros, ele tem 39 -- confiamos um no outro, nos divertimos como podemos e não nos sentimos traídos, mesmo sabendo que, como moramos em cidades diferentes, podemos estar aprontando. Mas isso não abala nosso amor. Ele tem bases sólidas. Somos felizes e encantados um com o outro. Nada disputamos. Convivemos admirando um ao outro e amando, muito.
[14:40] henri819@hotmail.com: Respeito isso, Loverman. Se vocês construíram isso juntos, estão sendo honestos um com o outro. E eu, construí um compromisso de fidelidade com meu namorado e é assim que estarei sendo honesto com ele.
[14:41] henri819@hotmail.com: Lembre-se, tudo isso começou porque você ofendeu o meu direito de pensar assim.
[14:43] loverman@hotmail.com: vc está certo agora, mas na minha opinião está errado em firmar um compromisso que passa a ser uma provação pra vc. A gente tem que firmar compromissos que a gente psosa cumprir, criar problemas pra gente que a gente possa resolver. Porque senão, é mais um sacrifício do amor, e são tantos que a gente tem que carregar pra ser feliz com alguem, tanto a ceder, que se a gente for ceder coisas tão nossas e tão caras do nosso espírito, índole e gostos...
[14:43] loverman@hotmail.com: ... a gente acaba não sendo a gente mesmo quando vai amar
[14:43] loverman@hotmail.com: precisamos ser nós mesmos quando amamos
[14:45] henri819@hotmail.com: Eu acho que você tem razão nisso. Me soa muito coerente. Mas eu passei muito tempo tentanto entender esse sentimento. Nunca havia vivido a recíproca dele e agora, sinto como se eu precisasse viver todos os sacrifícios dele. Como se só assim eu me sentisse imbuído dele.
[14:45] henri819@hotmail.com: Eu quis assim. Pode ser que me arrependa depois, mas preciso.

[14:48] loverman@hotmail.com: se ofendi seu direito de pensar desse jeito, me desculpe. É porque queria foder com vc mais uma vez ou mais, e não gosto quando a vida põe na minha frente muros definitivos. Eu sou insistente, acho que faço tudo que quero, conquistei essa força. Me desculpe, gosto muito de vc e te admiro -- até quando vc renega sua admiração por mim. Só queria poder foder mais com vc e achei que vc tinha suplantado essas muletinhas do amor. Um dia vc verá que isso não tem importancia nenhuma, que quando fidelidade , ciume e posse entram em discussão, não é mais só de amor que se está falando. Mas não basta vc concordar com isso. Vc precisará SENTIR isso. Quando sentir, lembre-se de mim
[14:48] loverman@hotmail.com: ... e estarei de caceta dura te esperando... hehehe
[14:51] henri819@hotmail.com: Tudo bem. Eu espero que você esteja errado. Tenho um lado racional que acha seu discurso muito tentador. Que acha que é quase certo que mais tarde eu descobrirei que vc tem razão. Mas acho que ainda sou ingênuo demais pra acreditar nesse amor sem fidelidade.
[14:51] henri819@hotmail.com: Carrego minhas muletinhas numa boa
[14:52] henri819@hotmail.com: Se um dia você tiver razão e eu não precisar mais delas, lembrarei de você.
[14:52] henri819@hotmail.com: E te direi isso.
[14:53] loverman@hotmail.com: essa coisa de sacrificio com amor eu acho uma mistura diabólica do século 19, herança do Romantismo. Vc não é a Dama das Camélias, parede rimar amor com dor. Pra começar, tente rimar com flor e dai pra frente vá aprendendo a rimar com coisas mais sofisticadas, leves, felizes e , por isso mesmo, mais complexas, sólidas
[14:55] loverman@hotmail.com: fique livre das muletas para amar, mergulhe no amor, sem defesas, se entrega. só assim a experiência, a prática na reciprocidade do amor, vai fazer vc me dar razão... e descobrir que não estou entre os 200 que vc diz ver nas ruas todo dia
[14:58] henri819@hotmail.com: Eu não entendo isso. Não entendo onde estaria a flor ou essa rima mais sofisticada que você propaga, se estamos falando de uma relação que, se eu fosse ceder ao seu convite, estaria borrada com a minha impulsividade sexual. Eu sou um cara que acha o sexo a coisa mais necessária do mundo. Mas também acho que embora a civilidade de se amar e transar com outros seja válida, o meu coração não vai encarar numa boa a idéia de ver quem eu amo gozando com outro. E se não aguentaria isso, não faço isso.
[15:03] loverman@hotmail.com: um dia vc vai aprender. um dia vc vai conseguir. Isto porque um dia a sua inteligência vai te ajudar a compatibilizar a sua impulsividade sexual, seu amor, suas promessas, sua cabeça, seu desprendimento, seus acordos, etudo ficará mais equilibrado. Porque vc é inteligente. Pessoas burras, que não têm seu cérebro prvilegiado ou trabalhado, ficarão morrendo e sofrendo por ciume o resto davida, fazendo coisas que nao explicam, prometendo o que nao cumprem, se debatendo nesse tormento que é a existência humana entre a régua e o fogo, entre a educação de britânica de Etom e o animalesco
[15:07] henri819@hotmail.com: Você pode estar certo. Saberei no futuro. Acredite quando lhe digo que todas essas impressões circularam de modo nebuloso na minha vida depois te tanto tempo vendo os outros amando e sendo amados e notando a maneira corrosiva como administravam isso. Essa conversa está sendo muito importante, alías.
[15:08] henri819@hotmail.com: Não sou tolo em acreditar que farei diferente. Mas estou me dando o direito de tentar.

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 17:58
Link | Dobre (comente) | Ver dobras (1) | favorito
Sexta-feira, 17 de Março de 2006

Sala de Projeção

Alguns dos filmes que assisti no período do Carnaval:


DELICADA RELAÇÃO

Eu teria duas coisas pra dizer sobre esse estranho longa de língua estrangeira: O rapaz aí do pôster é lindo!! E nunca personagens tão profundos foram retratados tão superficialmente.
Ok. A intenção do diretor provavelmente deve ter sido essa. Não trata-se de uma película americana que sempre super expõe seus dramas e sim de um filme que quer contar uma história sem arroubos. E isso tem uma consequência, lógico! Os conflitos são apresentados e esquecidos. O roteiro é frouxo e os atores regulares. O final chega a ser piegas e apesar de ser gay e adorar filmes assim, não consegui sentir nem uma grama de comoção com a história desses dois amórficos soldados gays.
Vale pela intenção, mas fica devendo muita coisa.





PEIXE GRANDE

Fábula "burtuniana"! Tim Burton ataca novamente e o que podemos ver nessa grande fantasia criada por ele é um produto que destoa de sua narrativa sempre sombria e ao mesmo tempo, nos presenteia com uma bela pintura etérea da vida.
Pra começar, Ewan McGregor está ótimo! Isso é bobagem dizer... Helena Bohan Carter está com sua boa e velha cara de maluca! E a história por sí só, já é uma grande maluquice.
A proposta é simples: pra quê encarar a realidade se por vezes a fantasia nos faz sentir melhores diante do mundo? E nessa proposta o sujeito do filme vai longe...
A fotografia é maravilhosa. Tim Burton é muito bom em surrealizar a vida e isso nos transporta pra sensações muito agradáveis. Mas o filme é só isso: agradável! Inofensivo e quase apático. Belo mas insípido.
Vale a pena, apesar de tudo.


ELEFANTE

Tem a calma e a cruealdade de um fiapo embaixo da unha!
A maneira voyerista com que Gus Van Sant conduz o filme é simplesmente sufocante! Como uma câmera persecutória que foca-se aleatoriamente nas vidas do alunos que retraram o massacre do Columbine. Como num daqueles vídeo games que perseguem sua vítima pelas costas.
A narrativa é fria, gélida. Sabemos desde o início onde aquela fragmentação temporal vai nos levar, mas ficamos paralisados pela forma tão neutra com a qual o filme nos conduz a isso. Os assassinos, inclusive, estão misturados à rotina da escola e só vislumbramos as mentes perturbadas de Dylan e Eric depois que os vemos comprar as armas que usarão pela internet (enquanto assistem ao discurso de Hitler, aliás). Van Sant é corajoso, insinua alguma tensão sexual que sofoca os rapazes (eles transam com a desculpa de que morreriam sem conhecer o sexo) e nos choca com a maneira abrupta como decide terminar tudo. Um grande filme! Minimalista e aterrorizador!


JOGOS MORTAIS

Dá um nervoso do caramba!
Eu li algumas críticas muito positivas ao estilo independente do filme e outras massacrando os clichês que o permeiam. Eu gostei! Gostei da maneira como o filme retrata um homicida que não se suja de sangue em momento algum. Ele cria jogos que levam a pessoa a matar ou se mutilar para continuar viva. E aquela situação do banheiro, onde pra cumprir o jogo um precisa matar o outro, é muito instigante.
Cary Elwes (que conheço do Arquivo X) me agrada. Gosto do desespero dele no momento crucial do personagem. Dá vontade de gritar!! Mas ele foi destruído pela crítica, coitado.
O final é ótimo! Surpreende e desespera. Ficamos imaginando como uma pessoa pode ficar ao saber que ficará presa pra sempre, definhando, num lugar sem chance de escapatória. É como ser enterrado vivo. Algo de uma crueldade ímpar.
O filme já vale pela boa idéia.



MELINDA E MELINDA

O filme mais "docinho" de Woody Allen! A mesma história contada de um ponto de vista dramático e cômico.

Seria uma boa idéia, se não fosse o fato de Allen ser mais cômico no trágico e mais trágico no cômico. O próprio diretor se perde na sua intenção e no fim das contas, não sabemos mais o que ele pretende com essa proposta.

Palmas para o elenco! As Melindas são muito distintas e Allen utiliza-se bem dos signos que formam as narrativas. E que homem pra gostar de traições!!! Seu alter-ego grita em Will Farrel na película!

Outro caso de uma boa idéia que renderia muito mais caldo.





A FANTÁSTICA FÁBRICA DE CHOCOLATES

Tim Burton novamente! E dessa vez, ácido, sombrio e inebriante como a gente gosta de ver! Filme infantil? Só se for pra fazer seu filho morrer de medo das mal-criações que faz com você.

Jhonny Depp está incrível! Ouvi dizer que ele se inspirou em Michael Jackson e faz até algum sentido. Seu Wonka é engraçado, excêntrico, maléfico e infantil ao extremo! As crianças escolhidas também são perfeitas e até o maniqueísmo da história é agradável. As coreografias com os anõezinhos (não sei escrever o nome deles) são muito empolgantes.

Mas sobretudo, nada se compara a forma ríspida como Tim burton quer provocar o universo infantil americano.

Imperdível, sem dúvida!

HOTEL RUANDA

Eu xiei.... Conflito africano?? Tá bom...

Mas se você quiser assistir uma daquelas histórias reais que te esfriam a espinha, tá aí uma opção muito boa!

É uma daquelas história reais em que você se pergunta, em dado momento, se aquilo foi real mesmo!

Outra pérola da tolerância humama.

Elenco brilhante. Direção brilhante e história envolvente.

Vale a pena.

MENINA DOS OLHOS

Outro filme do meu amado Kevin Smith! Adoro esse cara! Ben Afleck é ruim! Isso todo mundo sabe! E ele é ruim mesmo... A pequena Raquel Castro salva a fita junto com Liv Tyler e a sorte é nossa!

Os diálogos, como sempre, divinos. Um mar de referências e críticas. Se for citar algumas estarei sendo injusto, mas todas feitas a "Cats" são de delirar! O shou business está ali na sua configuração mais debochada. Smith não tem vergonha de recorrências: até Matt Damon está lá. Numa participação ótima. Até Will Smith se rende e permite que Kevin tire um pouco de sarro da cara dele.

Meu filme preferido dele é "Procura-se Amy" e nada se compara ao que ele faz ali, mas "Menina dos Olhos" é honesto e tranquilo. Vale pela língua áspera de Smith e por seu texto sempre viável.

Uma graça!!

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 19:49
Link | Dobre (comente) | Ver dobras (1) | favorito
Segunda-feira, 13 de Março de 2006

Noite de Reis

Estou sentindo alguma coisa deslizar... Acho que é a minha inconsciência.
Aqui estou eu, Deus! Diante das nuances do amor! Untado e louvado.

Pausa para reflexão...

Ah não... Meu mal é refletir...
Ontem eu passei a minha primeira e inesquecível noite com o Gustavo... E hoje estou desse jeito: feliz de verdade e apavorado sem dúvida! E frágil também...
Andei passando um considerável tempo pensando sobre essa nova realidade de amar e ser amado em retribuição (Viva Satine!!!) e cheguei a uma conclusão única: o amor fragiliza!
E não estou nem falando do meu amor intangível pelo Gustavo, que é casado e tem por isso mesmo, limites no momento instransponíveis. Mas sim do que estar amando causa de novo quando sabe-se que é amado também!
Dá pra entender a amargura de determinados poetas.
Feliz por estar sendo amado, você quer lutar com unhas e dentes pela permanência de sí mesmo nos domínios do outro. COmo se ele não tivesse o direito de gostar de mais ninguém, ou isso significaria que você já não é tão apaixonante assim. Uma loucura...uma burrise que beira a estupidez. Traço forte da baixa estima que me permeia e me faz sentir o encosto da Amélia, que segura sua relação por tudo! Contra tudo!
Graças a Deus eu tenho inteligência.
Esse amor pelo Gustavo às vezes é avassalador! É estranho como o mundo se reconfigura pelas bordas em nome do amor que sente-se. É incrível perceber como tanta coisa se anula em disputa com as que você já anulou. E você fica fazendo força pra não virar aquele que você tanto criticou... Amor é sempre amor demais, eu acho. Não dá pra ter escala de intensidade. Porque se é menos, então é gostar, e se é mais, então é loucura!
Passamos uma linda noite juntos. Com direito a pipoca, tv, sorvete, promessas, sonhos e orgamos...
Nossa relação é engraçada...

Será que eu tenho que dedicar posts a isso?
Eu deveria

Estou vivendo o meu sonho mais palpável e ao mesmo tempo mais frágil.
O amor fragiliza as pessoas. Agora eu sei. Mas é a sensação mais linda e tenebrosa que existe. Parece que vai te sufocar o tempo todo. Pro bem e pro mal. E a gente quer... e não quer perder...
Eu estou tão impressionado.

E eu tinha tanta coisa pra falar sobre o Gustavo. Tinha tanta coisa pra falar sobre o que ele me provoca. Sobre o que nos cerca. Gustavão... Meu Rei...
Como é que de repente uma pessoa pode ser tão importante? O quê determina essa euforia pelo outro? Sei lá, perdoem... estou mesmo muito chocado com as verdades do amor. Com as verdades sobre estar junto. Com o quanto é inebriante e ao mesmo tempo angustiante... Estou num êxtase curioso... Uma felicidade plena e sempre ameaçada. O cérebro trabalha pelo discernimento o tempo todo e aí eu vou compreendendo porque tanta gente foge do amor: ele é agressivo demais! Toma o corpo como um vírus e te altera todo o metabolismo! E a gente poetiza... compõe pra ele...ignoramos as suas ações maléficas. Tudo em nome de ser feliz, já que alguém em algum lugar, no início de tudo, plantou em nós a certeza de que ser feliz está diretamente ligado à isso.

E estou amando o Gustavão!
Com todo o coração! Tentando ser fiel à ele e lapidando alguma pureza em meio as poluições que nos cercam. Afastando da mente as minhas conclusões de escritor que vão tecendo finais pra nós dois que sempre beiram o trágico e pedindo a Deus: que a gente mereça o que sentimos... e que estar junto seja o conforto...

Por vezes eu acho que não. E logo em seguida eu me forço a profetizar um bom futuro pra nós dois...
Estou feliz porque encontrei o que estava procurando, em parte, mas encontrei. O medo de perder isso é muito grande e o medo de fazer burradas também. Parece ser mais uma lição. Mais uma que o Gustavo veio pra me mostrar... Mas só espero que ele mostre e colha os frutos! Por nós dois. Porque também me dou o direito de acreditar que lhe ensinei coisas.

Estou tentando não analisar. Preciso me livrar dessa psicologia de bolso que me persegue.
Estou muito orgulhoso de nós dois. Amedrontado, mas feliz. Amando como jamais achei que pudesse amar alguém. Ridículo. Frouxo. E sendo amado...Jesus! É a coisa mais deliciosa do mundo!

Peço por nós dois o tempo todo. E tento não pensar no que virá.
Foi uma noite linda.
Ridículo. Frouxo.
Feliz.
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 17:50
Link | Dobre (comente) | favorito
Sexta-feira, 3 de Março de 2006

A Estrada dos Tijolos Amarelos (Post para a Oficina 1)



Vão rufar os tambores e a multidão vai se abrir!
De algum lugar no meio dos presentes, alguém vai gritar que é triste demais que esse seja o fim de tudo...
Vai ser a estréia do espetáculo:
UM DESPERTAR
Estrelando:
Ana Beatriz
Débora Dias
Bruna Alves
Henrique Haddefinir
Tiago Maviero
Viviane Antunes


Sinopse:
Metidos cada um em seu mundo particular, seis jovens decidem embarcar numa aventura no mundo do teatro e redescobrem um sentido pra vida que não esperavam vir a entender. Bia "darauanos dos santos" revira um desejo artístico do meio de seus livros e transgride em nome de alguma liberdade. Deby, que acabara de chegar à cidade perdida, busca uma realização na arte e algum conforto pro seu desconforto geográfico. "Dandrinha" já era macaca velha do palco dessa cidade e apesar de ser a mais jovem, só dá mais um passo numa direção que já lhe é certa. Haddefinir quer pôr pra fora um pouco da agonia que o desejo artístico lhe provoca. Maviero sempre quis e nunca tentou, é empurrado pelo fluxo e Vivoca sempre quis, tentou e encontra nessa cidade a sua primeira oportunidade.
Desconhecidos completos, os seis heróis da nossa história entram no que parecia ser somente mais um curso de teatro e despertam sem querer, pra realidade áspera que os bastidores das vaidades humanas escondiam.






Linha de Montagem Divina

Departamento dos Trópicos / 6º andar do subsolo/ Planejamento pós-gênesis

ARQUIVOS REVIRADOS ENCONTRADOS FORA DOS LIMITES DA VIA LÁCTEA

*Ficha nº mais ou menos abaixo de -3007,12 (Ana Beatriz Alqueres)

(Reserva especial de erudição). Heterossexual. Origem recessiva. Aristocracia (enviada aos trópicos por recomendação superior). Inteligência social. Beleza nórdica. Dom artístico para representação (marcar hora com Dionísios). Metodismo. Sabedoria burocrática. Excesso de condescendência.

Regência: Sagitário

Karma: "Eu só peço a Deus, um pouco de malandragem". Reunir percepções do mundo.

Missão: Transmitir conhecimento

U.R.E. (último registro encarnatório): Escrava fujona fundadora de quilombos no Brasil colônia. Morta com um atabaque no crânio.

Nota do Fabricante: Resguardar características da U.R.E.

*Ficha nº mais ou menos abaixo de -3007,10 (Bruna Alves)

(Reserva especial de Euforia). Heterossexual. Beleza unânime. Sensualidade. Inocência. Inteligência dosada. Dom artístico para representação (marcar hora com Dionísios). Falta de atenção. Desconcentralidade flexível. Fragilidade interpessoal. Dissimulação. Apego específico.

Regência: Escorpião

Karma: "Sou um animal sentimental". Pagar o preço do instinto.

Missão: Descobrir o equilíbrio

U.R.E.: Ator gay da Itália Medieval. Morto pelo amante mais velho.

Nota do Fabricante: Reserva excessiva de euforia. Escapes: gargalhada berrante. Felicitismo.

*Ficha nº mais ou menos abaixo de -3007,9 (Débora Dias)

(Reserva especial de exclusão). Heterossexual. Singularidade (oscilações de feminilidade e humor). Personalidade inflexível. Beleza. Singeleza. Inteligência acumulativa. Dom artístico para representação (marcar hora com Dionísios).

Regência: Peixes

Karma: "Eu quero é me livrar, voar, sumir, perder, não sei querer mais..." Os relacionamentos de corpo e de alma.

Missão: Ser uma diva.

U.R.E.: Guerreira atlante devoradora de homens. Considerada infértil pelas tradições de seu povo, entrega-se à luta e escandaliza a sociedade atlântica. Morta em batalha pelo inimigo.

*Ficha nº mais ou menos abaixo de -3007,13 (Henrique Haddefinir)

(Reserva especial de melancolia). Homossexual. Beleza confusa. Apatia. Dom artístico para representação e escrita (marcar hora com Dionísios). Inteligência humana. Equívoco interperssoal. Senso de amizade. Responsabilidade limitada. Sexualidade incontrolável. Amor pela ilusão e fantasia. Relacionamentos amórficos. Sonhador + falta de determinação= frio na etapa da inspiração. Dissimulação. Tolerância. Visão coletiva.

Regência: Aquário

Karma: "De onde vem a calma daquele cara? Ele não sabe ser melhor viu...". Corrigir desvios de personalidade. Aprender a amar.

Missão: Prôpor coisas vindas de suas experiências itinerantes.

U.R.E.: Poetisa anônima conquistadora e gananciosa. Lançada do alto de uma torre pelo seu único apaixonado.

*Ficha nº mais ou menos abaixo de -3007,8 (Tiago Maviero)

(Reserva especial de sensações psico-patológicas). Homossexual. Dom artístico para representação e escrita (marcar hora com Dionísios). Egocêntrico (enviar para família humilde). Intolerância trabalhável. Personalidade inflamável. Confusão conceitual. Questionamento. Profusão inspirativa. Inclinação religiosa xiita (pedir ao chefe uma orientação espiritual). Dependência. Clareza.

Regência: Sagitário

Karma: "O mal dos gênios é que pra sê-lo, elimina-se o conceito de humildade". Busca pela aceitação.

Missão: Mostrar-se ao mundo.

U.R.E.: Dançarina taberneira da França medieval. Teve a garganta cortada por uma soprano lésbica advinda da nobreza.

Nota do Fabricante: Atenção especial aos outros U.R.E.; presença marcante de atividades artísticas escusas.

*Ficha nº mais ou menos abaixo de -3007,11 (Viviane Antunes)

(Reserva especial de masculinidade). Heterossexual. Sexualidade infame. Personalidade inflamável. Dom artístico para representação e canto (marcar hora com Dionísios). Vazio interpessoal. Determinação. Fragilidade emocional. Beleza. Apego específico. Amorosidade. Estilo.

Regência: Gêmeos

Karma: "Já que não me entendes não me julgues, não me tentes". Absorver menos o meio em que está inserido.

Missão: Brotar arte do meio do vulcão.

U.R.E.: Angolano reprodutor de tribo canibal. Morto por tradição tribal após o término de sua serventia à tribo.

PARECER TÉCNICO: Danos permanentes de convivência forçada. O reviramento das fichas e o ocasional encontro indesejado desses destinos acarreta complicações vitalícias. Providenciar punição. Organizar caminhos alternativos.

NOTA ESPECÍFICA: Ano de colisão: 2003. Espaçamento iminente. Convivência específica: (em branco).

01 de Agosto de 2003. Rio das Ostras. Rio de Janeiro. Brasil. América do Sul. Terra...

E era uma vez a Oficina I...

- Pieguice à vista. Tape o nariz!

Era uma vez seis jovens em busca de arte. Era uma vez uma sede que consumia o corpo todo e que eles fizeram de tudo pra saciar. Era uma vez um sono forçado pra não parar de sonhar. Mas os olhos de um jeito ou de outro vão abrir... e agora já é hora de acordar (pieguice rimada ainda é pior).

Antes eram vinte e cinco!! Bia, Débora, Bruna, Tiago, Henrique, Vivi, Simone, Juliana, Bruno, Larissa, Isa, Anísio, Cássia, Sula, Jairo, Jefferson, Adriene, Marcelino, Daniela, Ádamo, Camila, Rosana e mais uns três que jamais apareceram na aula.

E assim, percorreran os primeiros seis meses imbuídos numa energia sólida e compartilhada que gerou uma onda de produtividade e realização que transformou esse primeiro grupo na personificação de um roteiro inventivo de um filme sobre "os escolhidos pra viveram alguma coisa especial". E entre Agosto e Dezembro de 2003, envolvidos com os vocalizes de Eli, o ballet de Nora, os improvisos de Caio e os ensinamentos fundamentais de Henrique Pimentel, os 22 alunos ativos da Oficina I, provaram o gosto saboroso da realização de um sonho.

Espera aí.... Interrompemos a nossa programação lúdica pra informar aos desavisados de plantão que esperam viver também uma "turma de contos de fadas", que desde o início, desde sempre, os avisos pra iminência dos pesadelos percorriam as periferias do Teatro Quintal. Contrariando todos os prenúncios de cautela, seguiram os destemidos em busca de mais. Sem notar o odor de orgulho que já pairava acima das árvores secas daquele quintal...

MURAL DE LEMBRANÇAS DA OFICINA I (faça também o seu!!!)

Primeira aula de improviso - Caio Bastos passa um trote e consegue, além da atenção precisa de Sula e Cássia, mais um machucado na já remendada Débora.

Exercícios "Pìmentelescos" - Seguindo do Teatro Primitivo ao Teatro Grego, os grupos vão desde o tribal até os gêneros devidamente revisitados (lembrando que como adeno, temos a primeira apresentação pública dos alunos da Oficina I, que apresentam Tennesee Willians aos baldes, Arlequins dos mais diversos (como o Arlequim rosa da Camila e o engraxado da Adriene) e Medéias ao gosto do freguês). Mário de Oliveira então diria: "Eles não sabem o que fazem".

A aula da Praia - Um vexame que só com o tempo descobriu-se cômico.

Figuras Carimbadas - As mentiras de Marcelino e Daniela registram-se como as mais loucas da história da escola! Os dois são ótimos exemplos de como atores frustrados podem se transformar em ótimos mentirosos. Ainda temos o "garanhão do esgoto´", Ádamo. E nossa eterna Isa "É preciso saber viver".

Tiaguices - Depois de um conturbado período e desencontro social, Tiago se transforma no gênio incompreendido e desemboca no bobo da corte. Suas imitações de Anísio e Isa ainda são clássicos e suas edições musicais na aula do Caio rendem psicologismos até hoje.

Namoricos Que o Tempo Esqueceu - Ritchelli (Oficina II), já ficou com Bruna e Camila. Tiago já ficou com uma amiga de Juliana (você é virgem??) Quase ficou com Daniela e encheu o saco de Débora (armários, armários...). Bruno fez Juliana terminar seu noivado! E sem falar em todos e todas as apaixonadas e apaixonados por Rodrigo Portela.

Enganos que o Tempo quer Esquecer - Uma dia um maluco quase fez alguns montarem "Romeu e Isolda". Outros malucos quase montaram "O Mistério da Feiurinha".

Dentro e Fora dos Armários - Tiago, Ádamo e Marcelino juram que são héteros. Henrique conta pra quem quiser saber, que é gay. Com o tempo, alguns armários (até não citados), caem por terra.

Avaliações - Quem se esqueceu das declarações incríveis que Henrique Pimentel fez pra cada aluno no final da oficina?

Sula - É possível que se goste tanto e tão gratuitamente de alguém? A Sula é o nosso símbolo. Uma unanimidade entre todos nós. Alguém com quem tivemos momentos lindos. Alguém de quem vamos lembrar com ternura pra sempre... e uma grande artista. Torcemos por ela agora.

Caravana Pelo Sucesso de Sula - A oficina em peso vai assistir ao espetáculo de Sula.

Tiago Maviero e Henrique Haddefinir (ainda sendo só Silva), por uma artimanha do destino estreiam em seu primeiro espetáculo.

"A àrvore da Praia"

A Figueira a olhar / O que vinha lá do mar / Cada folha que crescia era um conto pra contar / Na baía a tremular / Com a brisa lá do mar / Formosa e altaneira....

(ah... eu adorava aquela zabumba...)

Trabalhos de Sucesso - O improviso de Henrique e Camila na aula de Nora. O trabalho com Édipo, de Débora, Sula e Bia (a origem de outros sucessos). As redações de Henrique e Tiago nas aulas de Pimentel. A primeira coreografia de Nora com o "primeiro grupo" (que quase sempre tinha Viviane, Sula, Bruna, Henrique e outros mais incluídos nele).

Trabalhos de Fracasso - O trabalho com "A Gaiola das Loucas" da "Panela Rosa". Os improvisos que tinham o dedo de Marcelino, Isa e Anísio. Quase todos os improvisos com o professor Caio. As tentativas de canto de todos os homens da turma. As coreografias com o "segundo grupo". Os "arlequins" do trabalho com Pimentel.

Bordões - "Panela Rosa" e "Panela Negra". Tudo é um processo...

O dia da Fábula - "Moça ocê tá aí, escondida no quintal, me conta do seu sonho, me deixa eu te levar. Pra onde ocê quiser, pra onde ocê pedir, te levo em meu cavalo se ocê quiser fugir..." Nasce o mito Rodrigo Portella.

E aí...

...veio TRILHOS:

Fundação Rio das Ostras de Cultura
Apresenta

TRILHOS
Escrito e dirigido por Rodrigo Portella

com a cia municipal de teatro



“O tempo é o maior tesouro de que o homem pode dispor. (...) É o nosso bem de maior grandeza. Não tem começo. Não tem fim.(...) Só a justa medida do tempo dá a justa natureza das coisas”.
Raduam Nassar

A vida de uma pequena e estranha cidade é retratada pela história de uma velha que espera o marido a vinte anos, de dois jovens que se casam numa capela abandonada, quatro amigos revivendo o passado, uma família atormentada por uma gravidez, um grupo de prostitutas que amam o mesmo homem e um mendigo que mora numa estação de trem, onde todas as histórias se cruzam.

Elenco/Personagem

Margot Távora
Alma

Bruna Alves
Morena

Viviane Antunes
Maria

Tiago Maviero


Caio Bastos
João
Carlos Henrique Pimentel
Siri


Henrique Haddefinir / (nasce o sobrenome Haddefinir)
Aramís


Débora Dias
Jandira


Bárbara Saboya
Laura


Aline Garcia / Juliana Ribeiro
Sussego


Cláudia Bispo
Joana


Cássia Gomes
Madalena

Marcelo Neves
Percoço


Ritchelli Santana
Pedro

Renata Cabral
Georgina

Eliane Soares
Lúcia

José Antônio Fernandes
Sr. Afonso

participação especial
Norma Maia
como Birusco

Equipe Técnica

Dramaturgia, direção, cenografia e iluminação

Rodrigo Portella
Assistente de direção
Mariana Barcelos
Figurino
Mário de Oliveira
Trilha sonora original
Mara Fróes e Remi Gillet
Direção de arte (instalação)
Juliana Ribeiro e Simone Assis
Operador de som e
Técnico de gravação
Mário Telles
Operador de luz
Carlos Ribeiro
Equipe de produção
Juliana Ribeiro, Simone Assis e Diana
Direção de produção
Carlos Henrique Pimentel e Norma Maia
Cenotécnico
Francisco Lima
Fotos
Jorge Ronald
Making off

Músicos

Confecção de figurinos
Cooperativa das costureiras
de Rio das Ostras
Montagem de luz
Rodrigo Portella, Carlos Ribeiro, Tiago Maviero
Bruna Alves e Marcelo Neves
Preparação vocal
Jane Celeste
Preparação corporal
Nora Kholki Carneiro

*Trecho extraído da primeira conversa de Carlos Henrique Pimentel com os alunos interessados no que inicialmente seria chamado de "Curso de Verão":

"Tivemos um problema com a Oficina III. O professor Rodrigo Portela ficou devendo algumas horas de aula com a oficina e nos propôs repôr essas aulas no período de férias, entre janeiro e março. Sabendo desde já que alguns alunos usariam esse período pra realmente tirar férias, a escola pensou então no seguinte...

*Tiago, Henrique, Juliana e Débora alguns dias antes (ensaio do auto de natal): -Acho que não tem chance pra nós... -Parece que o nome do texto é "As Três Marias". -Não tem problema, se abrir pra outras turmas eu entro nem que seja pra servir cafezinho...

...O Rodrigo vai cumprir as horas que está devendo pra escola de janeiro até março e vai fazer isso, não repondo as aulas, mas executando uma "montagem de verão". Os alunos da turma III que se interessarem podem cumprir suas faltas e alunos de outras turmas também podem fazer parte do processo. No entanto, como se trata de um período de férias, aqueles que não quiserem fazer parte da montagem, não vão ser prejudicados em suas avaliações..."

*Rodrigo Portela ao final do primeiro encontro: -Eu havia escrito um texto com personagens suficientes pra dezoito pessoas, mas nós temos muito mais que isso aqui no nosso encontro. Então mesmo detestando essa coisa de teste, a gente vai ter que passar um tempo juntos pra que eu decida quem vai fazer os personagens.

*Manuel Thomas depois de duas leituras: -Eu acho que eu fico com o Siri, a Samantha fica com a Maria e o Henrique com o Aramis...

*Henrique Pimentel em off: - Eu falei "eu quero personagem pra mim e dane-se se eu estiver tirando papel de aluno!"...

*Rodrigo Portela depois de algumas leituras: - O Pimentel vai fazer o Siri. E a Viviane vai fazer a Maria, essas são as únicas certezas que eu tenho.

*Manuel Thomas depois de perder o Siri: -Eu acho que vou fazer o Zé.

*Henrique Pimentel na penúltima leitura: -Porque o Tiago não lê o Zé? Ele tem a voz forte, não custa experimentar...

*Rodrigo Portela no final da penúltima leitura: - Acho que o Tiago vai continuar lendo o Zé, por enquanto...

*Henrique Haddefinir no portão da casa da Débora: -Quem são os personagens importantes? Alma, Maria, Joana, Morena, Aramis, Zé, Sossego, João e Siri. Já está quase certo que a Maria é da Vivi e a Morena é da Bruna. Sem falar na Sosseso que já é da Sula. Se eu ficar com o Aramis, a Cássia com a Alma e o Tiago com o Zé, já são seis dos personagens importantes com a Oficina I! Isso é muito inusitado.

*Elenco de Trilhos, muitas mudanças depois: Viviane (Maria), Bruna (Morena), Henrique Haddefinir (Aramis), Zé (Tiago), Jandira (Débora), Madalena (Cássia)...

E perdidos até hoje estão esses mesmos atores, querendo entender o que aconteceu durante aqueles seis meses de montagem. O que era pra ser um curso de verão virou um espetáculo de proporções gigantescas!

REVISTA ZEN (matéria publicada entre os meses de janeiro e julho de 2004)

" - A senhora fala em conjunções astrais? Em forças advindas de manifestação artística específica?

- Mais ou menos. Eu falo de um primeiro semestre regido por Aquário e Gêmeos. Signos de comunicação voltada para a atividade artística. Um segmento de forças astrais que será muito melhor percebido por quem está envolvido em processos de conhecimento poético ou dramático.

- É o ano dos artistas?

- Não. É o momento dos artistas! E que deve ser aproveitado ao máximo. Essa conjunção é frágil e ocorreu devido a um deslocamento natural provocado pelo estremecimento do eixo terrestre. Tudo pode mudar em segundos! É como se em alguma parte do mundo, de súbito, um grupo de artistas fosse escolhido pra viver uma inspiração única. Regidos por essas forças, eles iriam desfrutar de grande libido teatral. Mas o vento pode mudar em questão de instantes.

- Você não faz isso parecer bom...

- Não é. Temo por aqueles que jamais superem a ressaca dessa embriaguez artística."

*Henrique Haddefinir durante o processo do espetáculo: - Quê que é isso que tá acontecendo? Onde o Rodrigo está querendo chegar exigindo da gente uma postura que ainda não estamos preparados pra ter...?

MURAL DE LEMBRANÇAS DO PROCESSO DE TRILHOS (faça também o seu, também):

O Resultado do Teste - Os homens apavorados de medo de pegar o Jacir (nenhuma fala). As mulheres se engalfinhando pela Sossego.

As Mudanças no Texto - Sossego já foi uma assassina serial. Já teve uma filha. Zé e Morena já tiveram um caso. Aramis já foi filho de Madalena. Joana e Maria já foram irmãs. Pedro e Sossego já foram namorados. Maria e João também. E entre todas as mudanças feitas, acho que quatro ao todo, passamos por projeções cinematográficas, textos cheios de reviravoltas brutais, trocas de personagens e terminamos num corredor, com a platéia dentro do palco, coxias alternativas e somente um banco em cena.

As Trocas de Personagens - Bárbara Saboya quase foi Birusco. Tiago já foi Pedro, Percoço e terminou com Zé. CLáudia já foi Madalena. Sossego passou por Sula, Aline e terminou com Juliana. Ritchelli entrou na última hora pra fazer Pedro. João foi de Caio, passou por Manuel e voltou pra Caio. Sr. Afonso foi de Anísio, mas terminou nas mãos de Jac. Cássia fez Alma, depois foi pra Madalena, deixando Alma pra Margot. Lúcia foi de Aline e terminou com Eliane, que também foi Alma Jovem. Percoço também passou por Manuel antes de chegar à Marcelo. Laura foi criada só pra Bárbara, assim como Georgina pra Renata, e Jandira cresceu por mérito de Débora. Morreram do texto: Jacyr, Pequena e a filha de Sossego.

O Banco - Só quem manipulou o banco, sabe como foi.

As Frases Inesquecíveis - "Inalcançável!!!!!!" / "Minha cabeça pesa feito carrara" / "A minha navalha corta..." / "Pequena,Pequena" / "Oi Benzinho!" / "Eu vou com frio" / "Tô pensando na morta da minha mãe, eu a amava tanto..." / "Nenhum" / "Eu sei muito mais do que você pensa" / "Eu não tô indo ver o trem" / "Eu sou aquela que ficou" / "Eu sou aquele que vai" / "...una foram de trem, outros de carona com um anjo qualquer..." / "Nada aqui fica. Tudo passa. Vem de lá. De lá. De lá. E passa. E vai" / "Diz ao meu noivo, que eu vou ver o mar..." / "Vai lá, levanta o espetáculo" (Cláudia Bispo em off, para Tiago, sobre a cena de Aramis e Morena que teria amornado o espetáculo).

Os exercícios - Preenchendo os espaços. Platô com intenção e sem intenção. Contato por improviso e manipulação. Níveis de manipulação. A festa.

Momentos inesquecíveis dos exercícios - Bruna gritando como louca no improviso coletivo. Pimentel dizendo que ia jogar a cadeira nela. Anísio sendo manipulado. A troca de personagens entre os atores. Os improvisos do que seriam as cenas dos personagens na ação anterior e posterior à da peça. Sula e Ritchelli tendo um ataque epilético. O platô com intenção sedutora (ponto pro Henrique). Todos fugindo de fazer os exercícios com Margot, Jac e Anísio. A cara das pessoas no dia que vimos "Réquien para um sonho". A empolgação de Rodrigo com Lars Von Trier. Tiago e Cláudia no cio no exercício da Festa. Henrique e Bruna ensaiando os beijos num cantinho apertado das coxias. O pavor com o que Rodrigo estaria preparando para o dia seguinte. As horas analisando Stanislavski. As horas analisando os personagens. Os sobrenomes do personagens (Aramis-correntes-pra baixo-terra-ferrugem-fica). A visita emocionada à Rocha Leão.

Momentos inesquecíveis no geral - A trilha. A carta de Rodrigo ao elenco dias antes da estréia. Os preparativos para a montagem do espetáculo. Norma comendo o frango gelado (que cheiro ruin...). As coxias alternativas, apertadas e aprisionadoras. A instalação pronta. O elenco testando o novo banco. As roupas que cada um levou de casa para os ensaios. A escada que fizemos de trilho. A canção de Maria Rita. O choro com o presente de Glauco no dia da estréia. As provas de figurino. A despedida de Sula.

Enganos inesquecíveis - Caio e Rodrigo entram em divergência de opiniões. Caio sai. Rodrigo se desespera sem João. Caio Volta. Os ferroramas que ninguém usou. Aline engravida e sai na última hora. A luz que faltou no meio de uma apresentação. O poema que Rodrigo queria tanto que Aramis declamasse e que jamais ecoou.

Portelices - "Aproveita isso" / "Direto ou indireto? Vetor pra baixo ou pra cima? Reto ou sinuoso?" / "Sente o impulso" / "Isso é teatro!"

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE “TRILHOS” (um dos)
de 05 a 08 de junho

05/06
Sábado
19h
22h
Siri, Joana, Laura, João e Georgina
06/06
Domingo
15h
17h
Família
06/06
Domingo
16h
18h
Aramis e Morena
06/06
Domingo
16h
20h
Siri, Joana, Laura, João e Georgina
07/06
Segunda
14h
16h
Aramis e Morena
07/06
Segunda
16h
18h
Sussego, Pedro, Zé e Percoço
07/06
Segunda
18h
22h
Todos
08/06
Terça
14h
16h
Alma
08/06
Terça
18h
22h
Todos

*Para o bom rendimento dos ensaios é fundamental que o elenco chegue 20 minutos antes para trocar de roupa e fazer o aquecimento da sua voz, do seu corpo e do seu estado de criação.

** Atrasos não terão tolerância

***É fundamental que o texto esteja muito bem memorizado para que não interfira na memorização da marca.

O ESPETÁCULO

*Crítica extraída embora jamais publicada.

Por Afonso Humberto

"Mande notícias do mundo de lá...diz quem fica". Se houvesse alguma facilidade dos veículos artísticos desse país em conseguir direitos autorais de seus próprios colegas, certamente o diretor Rodrigo Portela poderia usar esse trecho de um canção de Milton Nascimento em seu mais novo espetáculo, "Trilhos".

Tudo começa ainda na entrada do teatro. Ausente do que seria o universo cultural interiorano, o crítico que vos fala adentra a discreta construção do Teatro Popular de Rio das Ostras e se depara, ainda no hall, com o que seria um pedacinho de Rosário, cidade fictícia criada pelo diretor para contar sua história. A história de uma mulher, que há anos espera a volta do marido que partira no trem que nessa cidade, passa apenas uma vez no ano. Junto com ela, uma vez que toda a ação se concentra na estação do trem, estão as vidas de outros três núcleos de personagens. Todos eles, sofrem direta ou indiretamente com a passagem anual desse trem.

A premissa é intrigante. Sobretudo devido à maneira segura com qual o autor domina os parâmetros de sua história. Os personagens daquela história são e sentem tudo à sua volta. Nota-se, desde o primeiro minuto, que há uma compreensão absoluta daqueles atores para com o que estão vivendo e que o universo construído para a montagem, está encrostado em cada impulso.

Rosário é um duto de fumaça. Não tem, de modo algum, aquele ar aconchegante de cidade pequena. É quente. Quase abafada. Amórfica e perdida. Apesar dos figurinos sugerirem alguma datação, não há menções de tempo e espaço e nem a maneira como os atores falam (numa linguagem própria que substitui coisas como "eu estou aqui" por "eu vou aqui") dá pistas de onde estaria Rosário. É uma cidade fantasma, onde as pessoas nunca chegam. Sò vão. Há no texto, infinitas maneiras de demonstrar ao espectador que quase todos os personagens odeiam aquele lugar. Que o tal trem anual é o símbolo da esperança pra quem deseja sair daquela terra inóspita. O primeiro núcleo apresentado, mostra uma jovem que deseja sair pra ver o mar, em constraste com seu tradicionalista noivo, que quer ficar e casar. O outro, mostra uma família que é assombrada pela gravidez de uma das meninas pequenas. O seguinte mostra um jovem atormentado que quer ir embora pra tentar se livrar do sentimento de asfixia que a cidade lhe provoca. E o último, mostra um grupo de prostitutas todas apaixonadas pelo mesmo homem, que deseja ir embora pra ganhar o mundo. E o mais curioso, é que mesmo os personagens que desejam ficar, não tem um retrato tão apaziguador de Rosário, que em dado momento, se torna o grande vilão dessa história. Sendo o maior abrigo e também o principal castrador.

As histórias vão se entrelaçando e o clima de tensão cresce claramente. O espectador vai sendo levado junto com os personagens ao climax do espetáculo, que culmina com a chegada do trem (uma das cenas mais bonitas, inclusive). E é aí que descobre-se a grande premissa da peça: Quem fica? Quem vai?

A platéia dividida em arquibancadas no palco, fica cara a cara com os atores, que encenam no corredor disposto entre as filas. Há uma disposição de coxias que aprisiona os atores dentro delas durante todo o espetáculo. E em cena, somente um banco como cenário. E é aí que começam os charmes da produção de Rodrigo Portela. As marcas, claramente criadas a partir de exercícios de improvisação que geram belíssimas imagens, são quase em sua maioria apoiadas naquele banco de igreja. Faz-se de tudo com o banco!! Ele circula de um lado pro outro. Vira tudo! Os atores passam por baixo, por cima, jogam-no no chão, sobem nele e por diversas vezes, ele é a grande atração das cenas. É simplesmente fascinante o modo como os atores e a direção encontraram maneiras tão curiosas de relação com essa única peça cênica.

A iluminação é outro show! Sabe-se com clareza que Rodrigo Portela já é um grande nome em iluminação e em Trilhos isso fica gritante. Os signos sonoros dados aos personagens (sons que sempre entram quando um personagem apareçe), são fixados também pela luz. Cada vez que um personagem imita o andar em um trilho, uma luz especial pra isso é acionada. Cada personagem tem sua paleta de iluminação e nos momentos culminantes, a iluminação é essencial na ambientação das cenas. Outro ponto muito importante, é a chegada do trem. Depois de tamanha espectativa criada, o espectador fica à caça do que será esse fim. A platéia, virada uma de frente pra outra, com os atores encenando no corredor entre as arquibancadas, se torna o trem! Os atores viram-se de frente pra platéia e olham a chegada do trem num mesmo movimento sincronizado da esquerda pra direita e da direita pra esquerda. Cara a cara com o espectador, que em dado momento, chega a olhar pra trás pra ver se alguma coisa está chegando mesmo. Brilhante!!

Talvez a grande deficiência de Trilhos seja mesmo a interpretação. Num espetáculo onde o diretor como encenador está presente como poucas vezes se vê no teatro. Talvez nem tanto no teatro contemporâneo, que entra numa costante contradição entre o papel do ator numa montagem como distanciamento do encenador e ao mesmo tempo, tem como marca à ferro a figura gritante do encenador como diretor. Rodrigo Portela é um grande encenador e num espetáculo como Trilhos, formado por atores em formação e alguns nem mesmo atores, a figura dele é a maior arma pro sucesso do espetáculo e o maior obstáculo pro sucesso dos atores. A mesma brilhante iluminação, trilha e concepção que impulsiona o espetáculo, também vende-o como um produto visual perfeito. Os atores são engolidos por isso, mas perdoados pelos olhos emocionados do espectador. Margot Távora, como Alma, a velhinha que espera, é encantadora. Divide, junto com o Birusco, de Norma Maia, a função de olhar lúdico em Rosário. E protagonizam um belo final. A menina que ver ver o mar, chamada Morena e vivida afoitamente por Bruna Alves, convence muito bem. Tem a ingenuidade, beleza e fervor exigidas pela personagem. No entanto, seu principal parceiro de cena, Henrique Haddefinir, vive um contido e apático Aramis. Não sabe-se até que ponto essa foi a proposta da direção, embora seja visível a forma como o jovem ator luta pra encontrar a alma de seu personagem, provando a incompreensão do mesmo pra com ele. Como um espírito que não se entende bem com seu corpo. Mesmo assim, os dois protagonizam belos momentos, como o casamento de mentirinha na igrejinha e a brincadeira de prostituta que arranca bons risos da platéia. Há muita poesia entre os dois e isso fica claro. Outro núcleo muito jovem protagoniza momentos fortes: Aline Garcia, Ritchelli Santana, Marcelo Neves e Tiago Maviero, interpretam o reencontro dos amigos Sossego, Pedro, Percoço e Zé, que culmina no estupro da moça. Aline parece velha demais pra viver Sossego. Marcelo Neves encarna bem a cretinice de seu personagem, mas fica over nos momentos engraçados. Ritchelli vive com dignidade a ternura de Pedro, mas sem dúvida, a surpresa está com Tiago Maviero, que tem em Zé o verdadeiro protagonista da história. Apesar de ser um dos mais jovens do elenco, tem boa postura, voz forte e oscila entre o instinto animal do papel e ao mesmo tempo, com uma esperança na vida que supera sua incômoda imagem hostil. Parece ter entendido muito bem o personagem e o que o diretor queria com ele. Tem nas mãos as rédeas dos momentos mais cruciais da história e domina tudo isso com muita segurança. Grande achado! O núcleo da família também tem bom desempenho. Viviane Antunes vive uma impressionante Maria. Cheia de charme e força. Débora Dias, que vive sua maquiavélica irmã, é um anjinho endemoniado. Naturalista às alturas. Dois acertos. Eliane Soares vive uma correta Lúcia. E José Antônio, muito inexperiente, se permite e consegue não atrapalhar. Talvez Cássia Gomes seja um dos grandes equívocos do elenco. Ela sofre dos mesmos problemas de comunicação com o papel que sofre Henrique Haddefinir. Mas tem uma boa cena quando bate na filha. O núcleo das prostitutas é todo formado por atores mais velhos e experientes. Com excessão de João, vivido por um fraco Caio Bastos. E exatamente por essa experiência, é que o núcleo destoa do resto do elenco que se mantém adequado com a bestialidade que é a mão do encenador no espetáculo. Henrique Pimentel, Cláudia Bispo, Renata Cabral e Bárbara Saboya lutam como titãs pra garantir a força de suas interpretações. Chega-se a pensar até mesmo se elas acharam que toda prostituta tem que ser meio "navalha na carne" ou se foi essa a orientação dada à elas. Cláudia Bispo chega a extremos nessa proposta! Sua Joana se perde o tempo todo entre Nelson Rodrigues e Plínio Marcos e apesar de intensa, peca por falta de humanidade. Henrique Pimentel também parece ter problemas com referências e seu Siri sofre com o encosto de Madame Satã e Cintura Fina. Renata Cabral quer ser Nelson Rodrigues, mas termina mesmo sendo Chico Buarque. E levando lambadas de todos os lados, está Bárbara Saboya, que tem uma proposta gigantesca com sua Laura, mas parece insegura do tom que deveria seguir: duelar como os titãs ou ignorar totalmente a batalha, como faz Caio Bastos com seu João. A cena da morte de Joana tem interpretações de ruído desagradável, e apesar de tudo não afugentar o gosto do espectador, o núcleo baderneiro (como chama o diretor) desequilibra as estruturas líricas e agradáveis da peça.

Enfim, um belíssimo espetáculo. Impossível não se emocionar com as partidas dos personagens, as decepções, com o grito desesperado do noivo que perde sua amada e com o silêncio na estação, depois que tudo termina. Até mesmo a canção de Maria Bethânia na hora dos agradecimentos, toca o espectador, que ainda não viu a surpresa final, que é a instalação depois de toda a ação da peça. Sem dúvida, ao descer a rampa do teatro, ficamos tocados com o cantinho de Zé, vazio. Com Aramis dentro do quarto de Morena, desolado. Com Siri supostamente morto e com Madalena fazendo as mesmas orações que a perdida filha Maria. O espetáculo não só levanta questionamentos, como também emociona! Foi inevitável não notar as lágrimas que vários presentes derramavam depois da sessão.

O futuro do espetáculo, sabe-se, não é garantido. É uma peça de formatura e com um elenco grande e heterogêneo demais. Mas também sabe-se que a magia presente naquela Rosário que é a vida de cada um, jamais será esquecida sobretudo, por quem viveu e respirou os ares dela.

"A plataforma dessa estação é a vida desse meu lugar... é a vida"

*Claúdia Bispo numa conversa depois do fim da temporada: - Trilhos jamais se reapresentará. Trilhos morreu!

*Henrique Haddefinir num mea culpa: - Uma das minhas maiores frustações em não ter feito o Aramis que o Rodrigo queria, é porque ele e Morena eram muito importantes pra ele. O Rodrigo sempre foi duas pessoas! Como quase todo mundo, aliás. Só acho que no caso dele, essa ambiguidade fica mais evidente por conta de todo o egocentrismo que ele criou em volta de sí mesmo. A Morena é o Rodrigo artista! Que quer ir embora da cidadezinha e buscar seu sonho. E que não tem medos, preconceitos, amarras. É o Rodrigo que transpassa regras! É o Rodrigo sexual! Já o Aramis é o Rodrigo tradição. Tradição essa, que sua Morena não conseguiu sufocar. E que por vezes, freia as liberdades que ele pensa ter conquistado. O Aramis é o Rodrigo que casa. Que cede às convenções. Que sufoca seus desejos... Uma pena, definitivamente uma pena que eu não tenha sido o Aramis que ele queria. Foi como se eu tivesse aniquilado uma parte dele e deixado incompleto, o retrato lírico das suas existências.

*Viviane Antunes falando sobre suas impressões: - Tinha dias que eu saía me sentindo uma bosta!! Um cocô de atriz.

*Débora Dias: - Eu também.

*Tiago Maviero: - Pára de onda que vocês duas eram super elogiadas!

*Henrique Haddefinir: - Pára de onda os três!! Vocês eram sempre os mais elogiados!

*Sucessão de traumas: - Teve o dia que ele me disse que eu tinha a voz sonífera! E a maldita mania que ele tinha de me pedir masculinidade!! "Henrique, mais homem, mais homem!!". Ele falava como se tivesse toda propriedade do mundo. Me dava vontade de pedir pra ele me conseguir alguém que realmente soubesse do que estava falando. E o dia em que ele me corrigiu porque eu tinha dito "racionalizar" e ele achava que o certo pra falar de raciocínio era "racionar"? Que ódio! Eu devia ter esfregado o Aurélio na cara dele!!!

*O mito se destrói: - Gente, se ele não fosse excêntrico, hipócrita, estranho, sexista, presunçoso e onipotente, ele não poderia estar na galeria dos diretores que se prezam, né? - E aquele senso estranho de liberdade? Quer dizer, ele pregava o livre vocabulário, mas estávamos sempre presos ao alfabeto dele!! - O cara é foda!! Fale o que quiser dele como pessoa, mas ele é um gênio. - O mal dos gênios é que pra sê-lo um aspecto importante da vida precisa ser anulado: a humildade. - O que aconteceu, foi que esquecemos que ele é passível de erro! - Aqui em Rio das Ostras, todo boato é antes de tudo, uma verdade. E tudo que se pensa de alguém, é baseado tão somente neles. Tudo que sabemos do Rodrigo poucas vezes veio da boca dele. E só o que veio da boca dele, deveria nos interessar.

*Oficina I, agora já sendo Oficina IV: - Trilhos foi a melhor e a pior coisa das nossas vidas.

Trenzinho do Caipira
Composição: Heitor Villa-Lobos e Ferreira Gullar

Lá vai o trem com o menino

Lá vai a vida a rodar Lá vai ciranda e destino Cidade e noite a girar Lá vai o trem sem destino Pro dia novo encontrar Correndo vai pela terra Vai pela serra, vai pelo mar Cantando pela serra ao luar Correndo entre as estrelas a voar Luar, no ar, no ar, no ar

À parte:

Tropeços da Oficina que valeram à pena pela caminhada

"Na Flecha Errada..."

Escrito por Henrique Haddefinir (nunca um projeto foi tanto e ao mesmo tempo, coisa nenhuma... a versão finalizada dele (criado essencialmente para entrar no Festival de Esquetes de Cabo Frio) está pronta pra uma montagem até hoje. Esse texto foi nosso primeiro passo. Antes essencial e agora, esquecido. O símbolo do início de alguma coisa. Mesmo que essa coisa também jamais tenha sido).

"Édipo Rei"

Adaptado inicialmente pelo grupo formado por Sula, Débora e Bia, depois readaptado por Henrique Haddefinir e por fim, reestruturado por Marcelo Tosta (o trabalho que foi mais além... começou como um exercício na aula de Henrique Pimentel e se tornou a esquete que deu os primeiros prêmios a alguns da nossa oficina. Foi também esse trabalho que proporcionou às meninas (Débora, Bia, Juju, Vivi), um encontro com outro tipo de linguagem e que também foi responsável por grandes tempestades entre nós. Um lindo trabalho. De feias periferias.

No segundo semestre de 2004, além de confusas aulas, dois alunos da Oficina tiveram a chance de entrar em outro espetáculo: "É Folclore Sim Sinhô".


Simone Assis e Henrique Haddefinir ganham a oportunidade de trabalhar com o lendário Mario de Oliveira. O Folclore é um capítulo à parte, que será tristemente negligenciado aqui. Toda a mágica dessa produção, ficará resguardada pra uma nova declaração.

Segundo semestre de 2004

O caos se instaurou diante do que era a escola de teatro. Não havia espaço pras aulas, não havia alunos dispostos a assisti-las mesmo que houvesse. Os alunos rejeitados no elenco de Trilhos e que também não foram abrigados no elenco do mosaicano "É Folclore Sim Sinhô" se perderam pelo caminho e jamais retornaram.

E no segundo semestre de 2004, a Oficina I só era Bia, Bruna, Debora, Henrique, Tiago, Vivi, Juliana e Simone (Bia e Simone não entraram em Trilhos mais resistiram e Juliana só entrou na última hora). Mesmo assim, Simone e Juliana também foram vencidas pelas circunstâncias ou pelas próprias escolhas e...

...2005 foi o último ano do resto de nossas vidas (credo, a pieguice reina por aqui...)

Menção Honrosa

Simone Assis - Cavaleira andante da nossa Oficina. Presente até o último momento. Impossível esquecer de seu tipo Almodóvar. Merecia ter chegado conosco até o fim, mas de uma forma especial, é Oficina 1 pra sempre.

Juliana Ribeiro - a "Lua". Figuraça. Seriam necessárias milhões de menções honrosas à ela. Só pelas tantas vezes em que ela nos fez rir. Jamais será esquecida.

2005 e as Oficinas IV e V

"Mudaram as estações e nada mudou... mas eu sei que alguma coisa aconteceu, está tudo assim tão diferente..." Renato Russo

Nosso segundo semestre foi o mais produtivo. Não dá pra saber porque começamos a nos dedicar tanto nesse último semestre, mas o fato é que aos troncos e barrancos, cumprimos nosso dever algum tempo antes de encerrar-mos nossa história na Oficina V e na Escola de Teatro de Rio das Ostras.

Capítulo Távia Cristina Bastos de Oliveira

Função: Aulas de Expressão Vocal

Fato: Aulas algazarrentas de ressonâncias, variações de inflexão (!!!) e muito siiiiiiii, fuuuuuuuu, xiiiiiiiii, pa....

Lembranças: Bia de cara na parede imitando Pina Bauche. Viviane cuspindo na cara da professora depois de mais uma aula de discussões. A professora ensinando grito. Débora e Bruna conversando o tempo todo enquanto ela falava. Simone incapaz de falar qualquer outro sotaque que não fosse o nordestino. Henrique se recusando a fazer sotaque mineiro porque o ex namorado era de Minas.

Fruto: Uma truqueira mas famosa leitura de "Os Noivos" com Tiago e Henrique.

Capítulo Fábio Fortes - Os Reis do Truque.

Função: Aulas de Estudo em Interpretação.

Fato: Constrangedoras reuniões silenciosas de contorcionismo partindo da coluna. Ringues de discussão que atravessavam as paredes da escola. Uma fenomenal fofoca que envolveu até os poderosos do sistema.

Fruto: * Fábio Fortes sobre o nosso trabalho final: - A Oficina V fez um trabalho magnífico sobre Grotowski e Stanislavski. O Tiago dirigiu um estudo de ações físicas maravilhoso com o grupo dele e o Henrique realizou um trabalho de teoria sobre ações mecânicas que deveria ser publicado! E ainda dirigiu um trabalho prático com um texto ótimo e super emocionado com as meninas do grupo dele. Uma coisa linda!

* A verdade sobre o nosso trabalho final: Tiago, Bia e Débora realmente trabalharam numa pesquisa de ações físicas, mas deixaram o trablaho teórico se perder no caminho. Henrique fez uma pesquisa faltando dois dias pra entregar o trabalho e encontrou um texto de um cara que dizia tudo aquilo que queria dizer. Adicionou mais umas coisas, fez um recorte e entregou assim mesmo. O texto da cena realmente era dele, mas a direção foi feita pelo Tiago no único encontro entre Vivi e Bruna, no mesmo dia da entrega das cenas. Truque total!!!!

Texto de Henrique Haddefinir para a aula do Fábio

"Inversos"

Pessoa 1:Não há nada que eu não fosse capaz de sentir se eu alterno a visão da minha íris com a suavidade das mais belas manhãs de primavera e verão. Não há nada que eu não fosse capaz de fazer para transformar essas visões em telas e pinturas que ornamentam a sordidez das minhas madrugadas.

Pessoa 2:Faz alguma coisa!!! Faz alguma coisa!! Estica os braços na direção desse emaranhado de cabelos ruivos! Entorte a cabeça! A minha freqüência já está alterada mesmo...

Pessoa 1:Não há nada que eu não fosse capaz de fazer pra sentir o acalento das pontas dos dedos nodosos das suas mãos frias e ásperas... Não há nada que eu não fosse capaz de fazer pra te confundir com a minha fúria.

Pessoa 2: Espera os dados girarem e mostrarem um número. Espera os ponteiros chegarem um no oposto do outro. Espera a luz do Sol descender e evidenciar as estrelas. Espera o umidecer dos olhos pra formação das lágrimas. Espera as batidas pra saber o lado do coração...

Pessoa 1:Eu posso subir em árvores por você. Ajoelhar por você. Ir lá fora congelar por você. Atravessar oceanos por você. Eu posso te favorecer no que você quiser. Sacudir inteira na brisa por você. Mas tem uma coisa que eu nunca poderia fazer por você. Eu não posso acreditar por você. Eu não posso acreditar em mim, por você.

Pessoa 2: Faz alguma coisa... Faz alguma coisa... É horrível ouvir o ruído abafado das alegrias alheias.

Pessoa 1:Esse não foi você.
Pessoa 2:O quê?
Pessoa 1:Essa frase não é sua.
Pessoa 2:Fernanda Young
Pessoa 1:Não vale.
Pessoa 2:Cabe tão bem. É como se fosse minha.
Pessoa 1Você não pode parar de sempre estragar tudo?
Pessoa 2:E você pensa que engana quem?
Pessoa 1:Como assim?
Pessoa 2:Também é horrível ficar respondendo perguntas com outras.
Pessoa 1:EU comecei com elas.
Pessoa 2:O trecho anterior também não é seu. É uma música. Eu conheço.
Pessoa 1:A criatividade nunca foi nosso forte...
Pessoa 2:Nós podemos chorar. Ficar quietas por um instante... e chorar. Apenas.
Pessoa 1:Ou rir.
Pessoa 2:Rir não é bom. Dói a barriga.
Pessoa 1:Podemos chorar de rir.
Pessoa 2:Rir de tanto chorar... Eu prefiro.
Pessoa 1:Então espera aí... eu vou procurar nas gavetas só um instante.
Pessoa 2:Procurar o quê?
Pessoa 1:Os motivos.
Pessoa 2:Eles não estão lá. Eu fui buscar alguns ontem... estão velhos, cheiram muito mal.
Pessoa 1:As gavetas estão cheias. Há de ter algum que possamos usar.
Pessoa 2:Usamos todos os que podíamos na visita do pessoal, semana passada.
Pessoa 1:Acho que guardei algum de reserva na gavetinha da cômoda...
Pessoa 2:Eu usei ontem... quando você saiu.
Pessoa 1:Vamos procurar no tapete. Alguém pode ter deixado cair algum...
Pessoa 2:Não acredito muito nisso.
Pessoa 1:Podemos sair pra comprar?
Pessoa 2:Detesto esses industrializados... Prefiro fazê-los em casa.
Pessoa 1:Não temos mais ingredientes...
Pessoa 2:Há de se ter algumas alegrias mofadas escondidas no fundo da nossa dispensa. Talvez alguma anedota...
Pessoa 1:Anedotas não servem. Os risos não sobrevivem tempo suficiente pra gente copiar.
Pessoa 2:Então o quê vamos fazer?
Pessoa 1:Rir de tanto chorar.
Pessoa 2:Era o que eu queria desde o início.
Pessoa 1:Eu sei.
Pessoa 2:E há alguma coisa nas gavetas que nos ajude nisso?
Pessoa 1:Elas estão abarrotadas!
Pessoa 2:Você tem mexido lá?
Pessoa 1:Você não?
Pessoa 2:Às vezes eu guardo alguns motivos nas de baixo. As de cima eu não alcanço.
Pessoa 1:Será que a sua cabeça suporta o pensar?
Pessoa 2:Me fala sobre as suas noites de insônia...

Pessoa 1: Não há nada que me faça sorrir mais do que o choro histérico de uma morte anunciada. Mais do que o timbre cortante de um pequeno esfomeado. Não há nada que me faça sorrir tanto, quanto as dores provocadas pelo peso surdo do metal pesado sobre o osso. Do que o estalo agudo de placas partindo. Do que unhas rasgando o quadro negro. Do que o barulho viscoso de entranhas torcidas. Do que os passos de um estranho com uma faca.

Pessoa 2: Faz alguma coisa!! Espera pra ouvir o zumbido das cigarras do lado de fora da janela. Espera pra entender o baque seco dos crânios chocando-se. O vento espera pelo desarrumar das plantas. Espere você pelo conforto das folhas secas. Espera pra rir os motivos do teu dissabor. Espera pra chorar os seus sorrisos condenados. Vamos! Faz alguma coisa! Abra as suas gavetas..

Capítulo Rodrigo Portela

Função: Aulas de História e Literatura Dramática.

Fato: As melhores aulas das nossas vidas, junto com as dadas por Henrique Pimentel.

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 22:32
Link | Dobre (comente) | Ver dobras (6) | favorito

Tudo Sobre Ele

Pesquisar Dobras

 

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Ontem

Voltamos já...

Fundo Sem Garantia

Um "Eu Amo GLEE" enorme n...

Glee, sua linda.

A Cabecinha do Hond#$%@##...

Sala de Projeção: Marilyn...

Titanic 3D

Agora sim...

Tô quase me rendendo...

Thammy Ae!

Vida Real Pra Quê?

Lua de Sinteco

Sala de Projeção

BBB12 - Selva Dentro e Fo...

M-A-D-O-N-N-A Pra Quem En...

Páginas Viradas

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Tags

todas as tags

Links

Autógrafos

Assine meu Livro
blogs SAPO

subscrever feeds