Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

Sempre Ela

Dust in the wind

 

            Mais uma vez eu acordava entre folhas secas meio amareladas.

            Eu não tinha dormido ali. Não. Mas eu acordara ali. De novo. Essa consciência não era dele (o eu do sonho), mas minha. E logo que eu acordava, era como se reconhecesse o cheiro doce do lar. A aparência familiar de tudo que me cercava. Os prédios. As árvores. As pessoas passando apressadas. Aquela cidade romântica dos meus filmes de adolescência. Respirando ali. Viva. Na minha frente.

            Eu sempre estive lá. Era minha morada. Não era novidade, mas me maravilhava todos os dias. O jeito como o Sol refletia nas vidraças. O barulho das ferraduras dos cavalos que puxavam as charretes do parque. O som dos motores. As línguas que se cruzavam babélicas nas avenidas. O amarelo dos veículos de aluguel. Era a minha casa sem ser em casa. O meu lar alheio. No meio das ruas. Mas ainda assim tão meu. Tão próximo de mim.

            Eu caminhava sentindo o frio. Era dia claro, mas fazia frio. E eu me lembrava que todos os meus dias perfeitos eram assim. Eu era feliz sempre nos dias frios. Eu era sempre feliz ali naquele lugar. E eu caminhava pensando em tudo. No que tinha que fazer, nas pessoas pra visitar. Eu tinha uma vida. Amigos esperando no café. Amores marcados no cinema da esquina. Eu era um dos que andavam com pressa. Eu era dali. E tinha ciúmes dos forasteiros como um bom nativo. Apoiava planos de melhorias e levantava bandeiras do quanto morar ali era especial. Porque ali era a terra dos sonhos. Era real e sangrava como todas as cidades, mas era envolta numa magia que nenhuma outra era.

            Mais uma vez eu acordava entre folhas secas meio amareladas. Eu sabia que era um sonho dentro do meu sonho. Sabia que sonhava de novo com Nova York.

 

 

            O 11 de Setembro passou. Geralmente falo sobre ele aqui no blog quando vem um aniversário. É uma data e um evento que me comovem constantemente. Talvez por ter visto tudo pela televisão numa época tão política da minha vida, mas sobretudo porque as grandes catástrofes, que dizimam populações em eventos trágicos, tem estranho poder de atração sobre mim. Não de maneira curiosa. Como os que visitam os assassinados numa esquina para verem o que seus rostos imprimiram no momento da morte. Mas com uma compaixão esquisita. Com uma insistência em avaliar a agonia alheia. Pensando no quanto sofreram os que viveram aquilo de perto, sem esperança de vida. O 11 de Setembro me faz pensar no sofrimento. Na morte estúpida, que interrompe um belo dia de sol, numa terça-feira cheia de compromissos, que acaba terminando antes do meio dia, com uma queda mortal para o chão de asfalto.

            Sempre falo aqui também sobre minha paixão por Nova York. É difícil falar sobre isso. Todo mundo fica me olhando como se minha paixão pelo cinema e pela tv americana já tivesse tomado suas proporções até indevidas dentro do meu inconsciente. Mas o fato é que desde antes do atentado, essa cidade já exercia estranho poder sobre mim. Ela me chama. E já desisti de tentar entender porquê. Ou mesmo de me criticar se a razão for simplesmente visitar os cenários de minhas histórias preferidas. Nova York me comove. Sua tristeza me alcança. Sua agonia me transpassa. E mesmo sem ter pisado numa só folha seca dos cantos do Central Park, é como se ela tivesse sido projetada pra mim.

            E hoje, quando sem querer me deparei com gravações da época do 11 de Setembro, e senti novamente toda aquela profusão de sensibilidades incomuns, foi como se todo o amor se confirmasse. É isso... Eu amo Nova York. Sinceramente. Desavergonhadamente. Por todos os motivos mais infantis. E que são os melhores motivos para se amar alguém ou alguma coisa.

            Me ame também Nova York. E me chame pra você... algum dia.

 

 

           

Tags:
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 03:29
Link | Dobre (comente) | favorito
3 comentários:
De vivere in spagna a 28 de Outubro de 2010 às 15:12
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em seu blog que bom!
De Cleide a 10 de Julho de 2011 às 05:28
Estou fascinada, amei este blog apesar de não ter um.
De Henrique Haddefinir a 12 de Julho de 2011 às 20:01
Muito obrigado Cleide!!

Comentar post

Tudo Sobre Ele

Pesquisar Dobras

 

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Ontem

Voltamos já...

Fundo Sem Garantia

Um "Eu Amo GLEE" enorme n...

Glee, sua linda.

A Cabecinha do Hond#$%@##...

Sala de Projeção: Marilyn...

Titanic 3D

Agora sim...

Tô quase me rendendo...

Thammy Ae!

Vida Real Pra Quê?

Lua de Sinteco

Sala de Projeção

BBB12 - Selva Dentro e Fo...

M-A-D-O-N-N-A Pra Quem En...

Páginas Viradas

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Tags

todas as tags

Links

Autógrafos

Assine meu Livro
blogs SAPO

subscrever feeds