Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2010

Cômodos

Já temos a data.

 

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 16:52
Link | Dobre (comente) | favorito
|
Domingo, 7 de Novembro de 2010

O Clandestino que a gente conhece

 

          Aí está, tirada do You Tube, a primeira parte do episódio de estréia da série Clandestinos.

 

          A razão pela qual eu estou falando da estréia da série é um pouco mais pessoal do que simplesmente avaliar o programa. É claro, que em se tratando de um projeto do João Falcão, todo mundo podia esperar um trabalho muito correto, poético e lírico, e foi isso que vimos na quinta-feira a noite. A série casa muito bem a comédia e o drama e tem atores fortes e competentes, que estão muito à vontade com seus personagens e que tentam trabalhar sobriamente a ambiguidade deles, que têm os mesmos nomes de seus intérpretes e que esbarram nas mesmas histórias.

Além disso, a série, para mim e para muitos atores envolvidos com teatro em Cabo Frio, São Pedro da Aldeia e Rio das Ostras, entre os anos de 2003 e 2005, a série tem um pouquinho mais a dizer.

 

          Nesse trecho acima, conhecemos o diretor Fábio, vivido pelo jovem Fábio Enriquez, que antes de estampar seu rosto na tela da Globo, estava aqui, junto conosco, espalhando teatro pelo eixo cultural da Região dos Lagos, no Estado do Rio de Janeiro. Eu não o conheço tão bem quanto conheciam seus amigos e colegas de São Pedro da Aldeia (onde ele morava) e em Cabo Frio (principal pólo cultural da Região). Nós, que circulamos constantemente por essas cidades, nos esbarramos o tempo todo, contracenamos o tempo todos uns com os outros, e no fim das contas, todo mundo conhece todo mundo. Só vim a ter contato direto com ele quando ele ingressou na mesma escola de Teatro que eu cursava, aqui em Rio das Ostras. Fizemos exercícios juntos, quase fizemos uma peça juntos e no meio disso tudo, esteve a essência maior do que nos permeia e do que ele representa estando em rede nacional: a de vencer na profissão.

 

          É fácil entender o mecanismo.

          Para os atores que estão nas cidades interioranas desse país, só existem dois caminhos. O primeiro é o de ficar. E não pensem que se por definição ficar não é seguir, não exista mérito nessa decisão. Se todos fossem, não haveria nenhuma gota de exercício artístico nesses lugares. Não haveria ninguém para prepará-los para ter o direito de escolher entre ir e não ir. E alguns ficam. Terminam seus cursos, escolas, e formam companhias e grupos. Dão aulas e criam projetos. E ficam. O segundo é o de não ficar. Seguir da borda para o núcleo, onde outras centenas te esperam para começar a competição. E no Rio nada é fácil. Tem os que começam pela univerdade e os que dela deslizam para outros movimentos. Entre isso, muitos testes. Mas muitos, muitos testes. E o motivo pelo qual muitos seguem, é que o sucesso garante o pão de cada dia sem que você precise trabalhar como vendedor, garçom, atendente ou motorista. E leia-se sucesso como televisão. Porque embora a maioria dos artistas preze pelo bom discurso esquerdista de renegar a Globo, é lá que todos querem chegar. Porque ganhar bem pra continuar atuando é o sonho de todos nós. E a menos que você tenha a sorte de entrar numa companhia patrocinada, o teatro não vai te sustentar. Há aqueles que entendem que a televisão não é o veneno da sua arte, mas o subsídio pra ela. E os que conseguem chegar até lá são os abençoados da nossa história.

 

          Na quinta-feira a noite só se falava de uma coisa por aqui. A estréia do Fábio na TV. Lá, naquele mundo surreal dos corredores do Projac, sobre o qual falamos tanto. A nossa Hollywood ácida. Um de nós que chegou lá. Enquanto tantas dezenas ainda continuam aqui.

 

         Que a série seja a inspiração pra quem deseja ir. Que ela também seja um orgulho pra quem decidiu ficar. Sorte para o Fábio e para aqueles que como ele querem poder ser pagos pra fantasiar. Temos que nos lembrar que o que aconteceu com ele deixa uma mensagem que não podemos ignorar:

 

          As vezes o sonho de alguém... se realiza.

 

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 16:25
Link | Dobre (comente) | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Cômodos

 

Um dos maiores orgulhos da minha vida.

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 02:00
Link | Dobre (comente) | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

Philip Glass no Fesq Cabo Frio

O Fesq Cabo Frio é nosso!! Ah-há, uh-hú!!

 

Depois de longos oito anos em que a presença do nosso grupo de teatro, Nós em Meio ao Caos, era praticamente nula no Festival de Esquetes de Cabo Frio, eis que o jejum foi quebrado e numa só tacada, nos classificamos para a final e faturamos o prêmio de melhor esquete e o de melhor direção. É o nosso quarto festival e nossa quarta vitória. Sendo assim, quero registrar aqui o meu profundo orgulho em fazer parte desse trabalho. É uma delícia fazer parte de uma obra teatral, mas é melhor ainda fazer parte de uma que é tão bem reconhecida.

 

Phillip Glass Compra Pão de David Yves

 

Direção: Ritchelli Santana

Com: Fernando Fintelman

          Henrique Haddefinir

          Lorenzo Prucoli

          Marcela Jorge

          Giul Ferreira

 

Não posso deixar de citar a querida Mariana Duarte que ensaiou conosco durante seis meses. Ela contribuiu muito por esse trabalho e infelizmente não está podendo colher tantos frutos.

 

Que venham os próximos festivais e que venha Cômodos, nossa primeira peça, escrita por mim, e que é também um dos meus maiores orgulhos.

 

 

 

* Críticas sobre a apresentação no Festival:

 

"Philip Glass Compra Pão do Grupo Nós em Meio ao Caos de Rio das Ostras, nos apresentou uma comédia musical elaborada na desconstrução dos signos gestuais, corporais, vocais calcada no minimalismo ao que o texto se presta e galga assim tudo que pretendeu na experiência colocando um importante pé na linguagem pós dramática."

 

PHILLIP GLASS COMPRA PÃO

 

 

Grupo: Nós em Meio ao Caos – Rio das Ostras

Autor – David Yves
Direção – Ritcheli Santana
Elenco: Giul Ferreira, Marcela Jorge, Henrique Haddefinir, Lorenzo Prucoli e Ritcheli Santana

Não é surpresa que a aparentemente pacata Rio das Ostras tenha um grupo com tal nível de desenvolvimento técnico. Uma cidade que tem um festival nacional de teatro, um festival internacional de Blues e uma escola de teatro, certamente, está investindo na formação de jovens e atraindo fortes referências para seu território. Sendo assim, obviamente, não nos surpreende depararmos com um trabalho da magnitude deste “Phillip Glass Compra Pão”.

Este grupo é singular e inclassificável, prefiro fechar com a visão do mestre Facury que, em estado de êxtase se aproximou e disse: “Essa galera acabou de fazer pós-teatro” e parece que o público gostou.
Fiquei impactado com a tremenda criatividade e o nível de elaboração a que o trabalho chegou, apresentando um resultado bem acabado, enxuto e com um foco no ritmo cadenciado e diversificado. Um trabalho coreografado e rico em musicalidade e que pode ser apreendido até de olhos fechados.
O Grupo “Nós em Meio ao Caos” investiu na dramaturgia de David Ives, autor estadunidense nascido em 1950 e considerado um dos mestres da comédia contemporânea. Logo, um bom texto acompanhado de uma encenação segura e inventiva além de um elenco entrosado e bem ensaiado só podia mesmo dar no que deu; ser ovacionado pelo público que ficou feliz com a proposta.

O esquete “Phillip Glass Compra Pão”  teve como base a estética do também estadunidense Phillip Glass, que dá nome ao texto. Nascido em 1937 na cidade de Baltimore, ele estudou flauta e é considerado um dos pais do movimento minimalista. Seu trabalho ficou conhecido no Brasil, no início dos anos 80 e, atualmente, virou Cult, apreciado por pessoas que gostam de música, dança, cinema e teatro.
A peça teve seu ponto focal na excelência do elenco que, bem ensaiado, manteve-se presente do começo ao fim do espetáculo além de ótimo figurino e um cenário eficiente. A expressão corporal e vocal também colocou o trabalho em evidência.
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 23:12
Link | Dobre (comente) | Ver dobras (1) | favorito
|
Domingo, 12 de Julho de 2009

Hairspray

 

E o elenco de Hairspray? Lembro de quando recebi um email convidando para o processo de seleção. Os testes aconteceriam para quase todos os papéis. No entanto, tirando essa gordinha, todo o elenco principal é formado por atores conhecidos do grande público. Acho que o Celulari não ficou tão impressionante quanto o Travolta, mas está simpático. Vale a conferida pra quem pode.... quem não pode, como eu, alugue o filme!

Tags:
Dobrado Por Henrique Haddefinir às 01:46
Link | Dobre (comente) | favorito
|

Tudo Sobre Ele

Pesquisar Dobras

 

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Ontem

Cômodos

O Clandestino que a gente...

Cômodos

Philip Glass no Fesq Cabo...

Hairspray

Páginas Viradas

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Tags

todas as tags

Links

Autógrafos

Assine meu Livro
blogs SAPO

subscrever feeds