Quarta-feira, 30 de Março de 2011

Dorian Gray

Mal estreiou nos cinemas e a filmagem do clássico de Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray, já começou a provocar discussões sobre o seu valor. Ainda não vi o filme, mas o trailer aqui postado não parece nos direcionar para a melhor das impressões. Temos o fodão Colin Firth, mas até que ponto ele não é só charme no filme, não sabemos.

 

 

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 19:28
Link | Dobre (comente) | favorito
|
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

Ao pé da Orelha

 

“Comer, Rezar, Amar”

Elizabeth Gilbert

 

Dei uma pausa no meu projeto de ler todas as crônicas vampirescas de Anne Rice (pausa provocada pela faculdade também, devo esclarecer... e pelo trabalho.... e pelas peças... e pelos compromisso pessoais...) para dar uma atenção a esse tão falado livro da Elizabeth Gilbert, que virou filme com a Julia Roberts fazendo a viajante tagarela.

 

Peguei o volume com minha amiga Monique Bomfim e embarquei para a Itália, primeiro destino da personagem/autora. A introdução inspirada, que explica o significado de um amuleto balinês que serve de base para a estrutura do livro, esconde a progesterona excessiva que está vindo a seguir. Antes de embarcar para a Itália, a personagem fala sem parar de seu divórcio complicado, de seu romance mal sucedido com um jovem, de suas crises depressivas, de tudo que a leva a tomar a decisão de vender um projeto literário que lhe transporte para três experiências em três pontos diferentes do mundo. O livro é o resultado disso: todos os problemas triviais de uma escritora rica, dada à instabilidade, que pode se dar ao luxo de expurgar seus fantasmas em paraísos estrangeiros.

 

Começando pela Itália, onde ela pretende se dar o direito de sentir prazer. E pra isso, ela come. São 36 histórias (como ela mesma define os capítulos) sobre comer e fazer turismo. Gilbert é esperta na escrita. Sabe disfarçar seus argumentos fracos com uma prosa eficiente. Tanto que quando ela vai embora da Itália, percebemos que nada aconteceu com ela lá. Ela deprimiu de novo, recebeu a visita da irmã, fez um curso de italiano com umas pessoas que parecem ter sido encomendadas para engrandecer a obra de tipos estranhos e comeu, comeu, comeu... e fez turismo, turismo, turismo...

 

Partimos para a Índia, então. Aqui ela pretende encontrar Deus através da meditação. Conhece mais alguns tipos estranhos e faz mais turismo. Mas perde menos tempo descrevendo pratos para poder descrever rituais. As descrições às vezes nos surpreendem com reflexões interessantes, mas nada acontece além disso. Claro que a essa altura você já aceitou que aquela é uma história sobre a cabeça de uma mulher e sua busca pela redenção, portanto, fatos são irrelevantes. A personagem vai embora da Índia certa de que nos transmitiu um pouco da cultura indiana e que pegou num dedinho mindinho de Deus. Vamos com ela então, para Bali.

 

Na Indonésia, as coisas melhoram na narrativa. Um pouquinho de romance ajuda. O brasileiro também parece não existir, tamanha perfeição de sua descrição. Mas... esse é o mundo dela: pessoas ricas, belas e viajadas. Ela entende dele melhor do que eu. Mas pelo menos o ketut é mais crível. Assim como a trambiqueira Wayan, que é responsável pela corrente de solidariedade que salva o final do livro do marasmo.

Quando o livro termina, a sensação é de inverossimilhança. Com o tanto de dinheiro que a mulher parece ter gastado, estaria perdida se não tivesse acontecido realmente nada. Tenho certeza que Gilbert garantiu que houvesse muitas páginas de devaneios femininos e figuras exóticas, tudo pelo bem da movimentação midiática e dos bolsos dos editores.

 

Não estou, de maneira nenhuma, fazendo pouco caso do livro. Não foi nenhum suplício chegar até o fim e em alguns momentos até me comovi. Mas no que diz respeito a sugar a própria vida e cuspi-las nas páginas de um livro, prefiro o que a Fernanda Young faz, que é manter a linguagem e as referências pessoais, mas pelo menos inventar um enredo. Elizabeth Gilbert lançou logo depois o livro que conta como foi o divórcio dela. Se isso não é desespero editorial, eu não sei o que é. Quer falar de divórcio? Inventa um. Use sua voz pela boca de uma ficção. E salve os que estão envolvidos nos seus dramas, da sua versão unilateral e perigosamente vendável dos fatos.

 

UpDate: Minha amiga corrigiu aqui nos comentários que a autora não fala do divórcio no seu atual livro e sim de sua experiência pré-casamento com o brasileiro que conheceu em Bali. Mas enfim, o comentário se aplica aqui também.

 

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 23:57
Link | Dobre (comente) | Ver dobras (2) | favorito
|
Sábado, 31 de Maio de 2008

O Mago Visto por Trás

Trecho da entrevista com o cara que escreveu um livro sobre a vida do Paulo Coelho (Mago de terceiro mundo), que fala sobre a discutível homossexualidade do mesmo.

Ampliando um trecho e a sublinhada:

"... isso durou até o momento em que eu entendi que se me autocensurasse, eu iria estar fazendo com o leitor umnegócio que Paulo não fez comigo, que ele não pediu,nem exigiu. Entendi isso e meti o pau"

 

Acho que isso deixa tudo claro né?

É isso aí meu caro, não se autocensure, meta o pau!

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 19:12
Link | Dobre (comente) | favorito
|
Terça-feira, 29 de Abril de 2008

Canção de Susannah

 

Terminei ontem de ler o penúltimo volume da série "A Torre Negra". Hoje peguei o último e iniciarei a longa jornada de 900 páginas que me espera.

Pretendo começar a dar minhas impressões sobre a série volume a volume. Essa história é sem dúvida, a mais desafiadora da vida desse escritor que teve papel fundamental na minha iniciação literária.

Se não fossem os 'Olhos do Dragão' de "sai" King, aos quatorze anos, eu jamais seria um viciado em literatura como sou agora.

Longos dias e Belas Noites

 

 

Dobrado Por Henrique Haddefinir às 20:45
Link | Dobre (comente) | favorito
|

Tudo Sobre Ele

Pesquisar Dobras

 

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Ontem

Dorian Gray

Ao pé da Orelha

O Mago Visto por Trás

Canção de Susannah

Páginas Viradas

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Tags

todas as tags

Links

Autógrafos

Assine meu Livro
blogs SAPO

subscrever feeds